Mais de 75% dos britânicos acreditam que o govermo não está dando apoio suficiente às tropas enviadas ao Afeganistão, segundo pesquisa publicada nesta segunda-feira.

Do total dos entrevistados, 82% destacaram que o governo deveria dar mais apoio às tropas, contra 12% que consideraram que já está fazendo o suficiente.

Além disso, 57% dos entrevistados disseram que as tropas não deveriam estar lutando no Afeganistão, contra 13% que afirmaram que está "muito claro" porque as tropas britânicas estão no país asiático.

A pesquisa também destacou que 40% dos homens apóiam o papel da Grã-Bretanha no conflito afegão contra apenas 17% das mulheres que compartilham desta opinião.

A pesquisa foi encomendada pelo canal de televisão Sky News, com 2.127 britânicos.

A enquête coincide com a notícia de que três soldados britânicos morreram domingo no sul do Afeganistão, elevando para 204 o número de militares britânicos mortos no país desde o início das operações em 2001.

Os três militares foram mortos em uma explosão durante uma patrulha perto de Sangin, na província de Helmand, segundo o ministério britânico da Defesa.

Sábado, o ministério da Defesa anunciou que a barreira simbólica dos 200 mortos britânicos no Afeganistão foi superada, o que o primeiro-ministro Gordon Brown considerou de "profundamente trágico".

Os ataques e as explosões visam as forças estrangeiras enviadas ao Afeganistão e aumentam com a proximidade das eleições presidencial e provinciais de quinta-feira.

O primeiro-ministro Gordon Brown afirmou neste domingo que os soldados britânicos desempenham uma tarefa vital no Afeganistão.

As palavras do primeiro-ministro coincidiram também com o pedido dos familiares dos soldados caídos no Afeganistão desde o início da luta contra os talibãs em 2001, para que o governo acabe com sua participação militar no país.

"Nestes momentos de pena e tristeza, nunca devemos esquecer porque estamos no Afeganistão, e porque há pessoas fazendo este sacrifício", declarou Brown.

tha/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.