A casa onde Charles Darwin viveu reabre suas portas em seu bicentenário

Down House, a casa em Kent, sudeste de Londres, onde Charles Robert Darwin viveu com sua família durante 40 anos e onde pesquisou e escreveu sua obra mais controversa, reabre suas portas nesta sexta-feira para comemorar os 200 anos de seu nascimento.

AFP |

Darwin se mudou para esta casa de três andares, em meio a uma campina inglesa, em 1842, e lá viveu até sua morte, em 1882, aos 73 anos.

"Ele já tinha dois filhos e um terceiro estava a caminho quando comprou a Down House", afirmou Jenny Cousins, uma das curadoras da exposição organizada para festejar o 200o. aniversário do fundador da biologia moderna. "Ele buscava um lugar tranquilo, solitário, mas próximo de Londres", acrescentou.

Ele se mudou para esta casa cinco anos depois de voltar de sua travessia, também de cinco anos, pelo mundo no navio da marinha britânica "HMS Beagle", que fez escala nas ilhas Galápagos, onde descobriu um mundo que o levou a concluir suas teorias.

"Down House foi essencial na vida e na obra de Darwin. Foi muito feliz aqui, com sua esposa e sua família. Precisava de paz para realizar seus trabalhos", explicou Steven Brindle, ao mostrar a bela residência, agora administrada pela fundação English Heritage, que a restaurou.

"Foi aqui, nesse escritório, que ele escreveu 'A origem das espécies'", acrescentou Brindle, mostrando com orgulho o local reacriado em 1920, com a ajuda de fotografias antigas. "Essa é a mesa onde escreveu sua teoria revolucionária, a cadeira onde refletiu, os livros em que estudou", disse ainda.

Em um salão contíguo, há uma mesa de bilhar na qual Darwin disputou partidas com seu mordomo, Joseph, e com seus filhos, mas que também utilizou quando já não tinha espaço em outros cômodo para colocar suas espécies sob o microscópio e dissecar insetos, conta o historiador.

Mas foram o vale, as pradarias, os jardins e a estufa de Down House que deram a Darwin "a matéria-prima para continuar com suas observações e experiências", confirmando assim sua teoria de que as espécies competem e que apenas as mais fortes sobrevivem, acrescentou.

Os jardins, onde Darwin plantou várias árvores, e a estufa, "foram seu laboratório científico e foi aqui que ele desenvolveu muitas de suas teorias", afirmou o chefe dos jardineiros de Down House, Rowan Blaik.

Ele gostava de passear com seus filhos Paseaba con sus hijos - teve dez com sua prima, Emma Wedgwood, com quem casou em 1839 - e esses passeios "serviam para observar a natureza e refletir sobre ela", comenta o jardineiro.

Nos corredores da casa há vários quadros de conteúdo religioso. "Darwin era ateu. Mas Emma era muito devota. Ela sofria muito por achar que ia ficar separada do marido depois que morressem", explicou a curadora.

No imenso salão que dá para os jardins, há fotos de Darwin, de Emma, de alguns de seus filhos. Também há um piano de cauda. "Darwin fazia experiência com vermes, queria ver como respondiam à música", conta Cousins.

No segundo andar, se recriou o estúdio de Darwin no "Beagle" e, ao lado, num outro quarto, há uma coleção de pequenos animais com que seus filhos brincavam.

No terceiro andar está o quarto onde supostamente teria morrido Darwin, cujas revolucionárias teorias, para alguns, representaram "a morte de Deus".

ame/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG