Tamanho do texto

Presidente da Venezuela falava em evento militar quando foi interrompido por um forte estrondo; sete guardas nacionais ficaram feridos no momento

Nicolás Maduro falava em evento militar que era transmitido ao vivo pela televisão quando foi interrompido por explosão
Reprodução
Nicolás Maduro falava em evento militar que era transmitido ao vivo pela televisão quando foi interrompido por explosão

O presidente venezuelano Nicolás Maduro acusou os Estados Unidos e a Colômbia de estarem por trás do suposto ataque com drones  que interrompeu um evento militar nesse sábado (4) em Caracas em que ele estava presente.

Após afirmar que os financiadores do suposto atentado estão nos Estados Unidos, Nicolás Maduro pediu ajuda ao presidente norte-americano, Donald Trump, para enfrentá-los. As informações são da agência de notícias AFP.

O governo dos Estados Unidos, porém, negou neste domingo (5) qualquer envolvimento no caso. O assessor de segurança Nacional, John Bolton, falou ao “Fox News Sunday” sobre a acusação. Já segundo a AFP, uma fonte do governo colombiano também negou participação do presidente Juan Manuel Santos no caso.

Como foi o suposto ataque a Nicolás Maduro

Nicolás Maduro pediu ajuda ao presidente norte-americano, Donald Trump, para enfrentar o que chamou de terroristas
Reprodução/Twitter/Nicolás Maduro
Nicolás Maduro pediu ajuda ao presidente norte-americano, Donald Trump, para enfrentar o que chamou de terroristas

O evento com Maduro estava sendo transmitido ao vivo pela televisão quando o presidente venezuelano foi interrompido por um estrondo. Na mesma hora, ele e outras pessoas que estavam em volta olham para cima assustados. 

As imagens passam para centenas de militares que estavam enfileirados em frente ao presidente da Venezuela e passaram a correr em pânico. A transmissão é, então, interrompida. No que foi classificado como uma tentativa de ataque pelo ministro da Informação, Jorge Rodríguez, sete guardas nacionais ficaram feridos.


Leia também: Calor na Espanha deixa ao menos três mortos nesta semana

Grupo assumiu autoria de ataque a Nicolás Maduro

Após estrondos em evento com Nicolás Maduro, houve pânico e correria entre os militares que estavam presentes
Reprodução
Após estrondos em evento com Nicolás Maduro, houve pânico e correria entre os militares que estavam presentes

O grupo Soldados de Franelas publicou uma mensagem nas redes sociais assumindo autoria da ação. Eles se classificam como militares patriotas e civis leais ao povo venezuelano, com o objetivo de resgatar a democracia em uma nação sob ditadura.

"Demonstramos que são vulneráveis. Não conseguimos (alcançar o objetivo) hoje, mas é questão de tempo", foi publicado na noite deste sábado com imagens que seriam do ataque.

Apesar do posicionamento do grupo e das afirmações do ministro das Comunicações, Jorge Rodriquez, que informou que a ação foi realizada com artefatos voadores, tipo drones, a agência de notícias Associates Press afirmou que bombeiros no local informaram que tudo se tratou de uma explosão de um tanque de gás dentro de um apartamento.

Leia também: Queda de avião turístico de pequeno porte nos Alpes suíços deixa 20 mortos

Mantendo as acusações de uma tentativa de assassinato, Nicolás Maduro garantiu que as investigações estão adiantadas e que suspeitos já foram detidos.