Trump critica Alemanha, e em resposta ouve de Angela Merkel, chanceler alemã, que o país "toma decisões e adota políticas de maneira independente"

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump critica aliados em reunião da OTAN
Twitter/Donald Trump
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump critica aliados em reunião da OTAN

A reunião dos chefes de Estado e de Governo da OTAN, a Organização do Tratado do Atlântico Norte, começou tensa nesta quarta-feira (11), como já era esperado. O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que a Alemanha é "prisioneira" da Rússia devido à dependência energética e consumo de gás. Com isso, Trump critica o país parceiro da organização, o que não surpreende. 

Leia também: EUA ameaça impor novas tarifas sobre US$ 200 bilhões à China

Afinal, Trump critica  o país europeu desde que assumiu o cargo, sobretudo pelas discordâncias diplomáticas entre os dois. "A Alemanha é prisioneira energética da Rússia, portanto, não devemos protegê-la da Rússia", disse o republicano em meio a uma reunião em Bruxelas. "Há países, como a Polônia, que, por sua vez, não aceitariam o gás russo porque seriam prisioneiros", comentou.

O magnata também afirmou ao secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, que a Alemanha está errada em apoiar um novo gasoduto no Mar Báltico para importar gás russo, enquanto se mantém afastada das metas de contribuição para defesa da OTAN, que teria como objetivo proteger a Europa.

Angela Merkel , a chanceler alemã, aprovou o gasoduto para importar mais gás, apesar de críticas de outros países da União Europeia. No entanto, Berlim insiste que é um projeto comercial financiado pelo setor privado.

Antes de chegar à capital belga, Trump já havia alfinetado os países-membros da aliança atlântica, principalmente a Alemanha, exigindo maior investimento militar e em defesa.

Em resposta, Merkel disse que a Alemanha "toma decisões e adota políticas de maneira independente". "Eu vivenciei pessoalmente quando uma parte da Alemanha era ocupada pela União Soviética. É positivo que agora possamos tomar nossas próximas decisões de maneira autônoma", rebateu.

"Trump usou uma linguagem direta para as despesas de defesa, mas todos os aliados estão de acordo. Os aliados estão empenhados em aumentar as despesas em defesa em 2% até 2024", comentou Stoltenberg.

Leia também: "Solução é que não venham ilegalmente", afirma Trump sobre crianças imigrantes

Trump critica Canadá e União Europeia e desgasta reunião do G7

Neste ano, a reunião do G7, o grupo das nações mais ricas da Terra , foi marcada pelo isolamento do presidente norte-americano, Donald Trump, do grupo. Isso porque ele se indispôs com o Canadá e com a União Europeia. O desentendimento rendeu até trocas de farpas entre o magnata e o outros líderes de Estado no Twitter.

Horas antes do início da reunião, Trump devolveu na rede social as críticas do anfitrião do encontro, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e do presidente da França, Emanuel Macron, que disseram em uma coletiva em Montreal que uma discussão sobre retaliações sobre a política tarifária de importações sobre o aço e o alumínio adotada por Washington deve ser realizada. 

No que foi considerado um ato de desrespeito, o mandatário norte-americano abandonou a reunião antes do fim. Com o acirramento da guerra comercial, Trump critica aliados e ameaça se distanciar de seus principais parceiros comerciais e diplomáticos.

* Com informações da Ansa

Leia também: Apesar de acordo com os EUA, Coreia do Norte segue com programa nuclear

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.