Indicação ainda deverá ser confirmada pelo Senado americano; escolhido foi assessor do ex-presidente George W. Bush e ajudou a investigar Bill Clinton

Brett Kavanaugh era um dos quatro nomes mais fortes do governo para substituir Kennedy na Suprema Corte dos EUA
Divulgação
Brett Kavanaugh era um dos quatro nomes mais fortes do governo para substituir Kennedy na Suprema Corte dos EUA

O presidente norte-americano, Donald Trump, indicou, na noite desta segunda-feira (9), o juiz Brett M. Kavanaugh, de 53 anos, para ocupar a vaga que ficará aberta após a aposentadoria do juiz Anthony M. Kennedy, na Suprema Corte dos Estados Unidos.  

Leia também: Cerca de 600 mulheres são presas em protesto contra Donald Trump em Washington

Kavanaugh era um dos quatro nomes mais fortes do governo para substituir Kennedy e, embora reconhecidamente conservador, ele era considerado o mais moderado das opções que Trump avaliava.

Antes de sua indicação, que ainda terá de ser confirmada pelo Senado dos EUA, ele atuava como juiz federal do Tribunal de Apelações do Distrito de Columbia. O conservador também atuou como assessor do ex-presidente George W. Bush e ajudou a investigar o presidente Bill Clinton, quando ele foi denunciado.

Durante o seu anúncio, Trump disse que a sua escolha recaiu sobre alguém bastante qualificado. "Não há ninguém nos Estados Unidos mais qualificado e que mereça mais", afirmou ele sobre o juiz.

Agradecido pela indicação, em breves palavras, o escolhido de Trump disse que a lei deverá ser interpretada, "e não escrita". Ele também comentou que é preciso manter "a mente aberta" para defender a Constituição do país.

Leia também: Apesar de acordo com os EUA, Coreia do Norte segue com programa nuclear

Quando em atuação, o juiz deverá unir forças ao grupo conservador da Suprema Corte, que passará a ter cinco magistrados, com sua confirmação, contra quatro que possuem um posicionamento mais liberal.

Quem é Brett M. Kavanaugh?

A escolha foi bastante analisada por Trump, porque ele vai substituir um juiz que, apesar de conservador, em algumas decisões atuou com voto de equilíbrio, de maneira moderada, como por exemplo, em decisões sobre aborto, ações afirmativas e direitos dos homossexuais.

Católico praticante, casado e pai de duas filhas, ele é bastante respeitado entre republicanos moderados, mas não era a primeira opção dos conservadores mais religiosos do Partido Republicano, que já discordaram dele em decisões sobre Obamacare e alguns casos relacionados ao aborto.

A quatro meses de eleições que podem redefinir o Congresso, sua confirmação pode custar trabalho à base republicana para convencer senadores democratas.

Analistas entrevistados pela imprensa americana avaliam que, ao tomar sua escolha, Trump elegeu um veterano que foi assessor na presidência de George W. Bush e que agrada aos republicanos tradicionais. Uma aposta que poderia ajudá-lo a confirmar sua escolha no Senado.

Leia também: Maduro alerta militares após plano de Trump de invadir a Venezuela

Kavanaugh é o segundo juiz nomeado por Trump para a Suprema Corte. O atual juiz da ala conservadora, Neil Gorsuch, foi indicado pelo presidente para substituir o juiz Antônio Scalia, falecido em fevereiro de 2016.

* Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.