Tamanho do texto

Acordo assinado em Cingapura fala sobre regime de paz estável e duradouro na península coreana; entenda os quatro pontos principais do documento

Após reuniões, Donald Trump e Kim Jong-Un assinaram um documento que se assemelhava a um acordo de paz
Divulgação
Após reuniões, Donald Trump e Kim Jong-Un assinaram um documento que se assemelhava a um acordo de paz

Durante a Cúpula de Cingapura, o chamado 'encontro do século' entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , e o líder norte-coreano, Kim Jong-un , foi assinado um acordo de paz em frente à imprensa, em que ambos prometiam ceder e trabalhar juntos pelo fim das ameaças nucleares, principalmente na península coreana. 

Leia também: 'Encontro do século' termina com acordo de paz entre Trump e Kim Jong-un

"Estamos prestes a assinar um acordo importante e amplo", disse Trump, logo antes de dar seu visto no documento. Kim Jong-un, por sua vez, classificou o acordo de paz como histórico. "Resolvemos deixar o passado para trás. O mundo verá uma grande mudança", disse.

Leia a íntegra do documento assinado neste dia 12 de junho por Trump e Kim Jong-un: 

"O presidente Trump e presidente Kim Jong-un mantiveram uma profunda, completa e sincera troca de pontos de vista sobre questões relativas ao estabelecimento de novas relações entre os Estados Unidos e a RPDC (República Popular Democrática da Coreia) e à construção de um regime de paz sólido e duradouro na península coreana.

O presidente Trump se comprometeu a dar garantias à RPDC, e o presidente Kim Jong-un reafirmou seu firme e inquebrantável compromisso com a total desnuclearização da península coreana.

Convictos de que o estabelecimento de novas relações Estados Unidos-RPDC contribuirá para a paz e a prosperidade da península coreana e do mundo, e reconhecendo que o estabelecimento da confiança mútua pode promover a desnuclearização da península coreana, o presidente Trump e o presidente Kim Jong-un declaram:

1. Os Estados Unidos e a RPDC se comprometem a estabelecer novas relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, de acordo com o desejo de paz e de prosperidade dos povos dos dois países.

2. Os Estados Unidos e a RPDC unirão seus esforços para construir um regime de paz duradoura e estável na península coreana.

3. Reafirmando a Declaração de Panmunjom de 27 de abril de 2018 (publicada em uma cúpula intercoreana, N.R.), a RPDC se compromete a trabalhar para a desnuclearização completa da península coreana.

4. Os Estados Unidos e a RPRC se comprometem a recuperar os restos mortais de prisioneiros de guerra e desaparecidos em ação, incluindo a repatriação imediata daqueles já identificados.

Leia também: China celebra 'nova história' e sugere fim das sanções contra Coreia do Norte

Reconhecendo que a cúpula dos Estados Unidos/RPDC, a primeira deste tipo, é um evento marcante, que nesta data vira a página de décadas de tensão e de hostilidades entre os dois países e augura um novo futuro, o presidente Trump e o presidente Kim Jong-un se comprometem a implementar as disposições desta declaração conjunta de maneira incansável.

Os Estados Unidos e a RPDC se comprometeram a realizar negociações de acompanhamento, conduzidas pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, e um homólogo de alto nível da Coreia do Norte, para implementar os resultados da cúpula dos Estados Unidos/RPDC.

O presidente Donald Trump e o presidente Kim Jong-un se comprometem a cooperar para o desenvolvimento de novas relações entre os Estados Unidos e a RPDC e a promoção da paz, da prosperidade e da segurança da península coreana e do mundo".

Maneira rápida

Segundo o presidente americano, esse documento representa um importante passo para o acordo de paz entre as duas nações. Quando questionado, porém, se o programa nuclear norte-coreano seria encerrado, Trump afirmou à imprensa que "as coisas estavam caminhando nessa direção de maneira muita rápida". 

Leia também: Confrontos na Faixa de Gaza deixam três palestinos mortos e 618 feridos

    Leia tudo sobre: donald trump