Agência oficial de notícias da Coreia do Norte afirmou que motivo são os exercícios militares conjuntos entre Coreia do Sul e EUA que teriam simulado invasão ao país; Kim Jong-un ameaça cancelar também encontro com Trump

Líder da Coreia do Norte assiste ao desfile militar “de camarote” cercado de autoridades de seu governo
Reprodução/Twitter Josh Berlinger
Líder da Coreia do Norte assiste ao desfile militar “de camarote” cercado de autoridades de seu governo

O governo da Coreia do Norte confirmou, por meio de sua agência oficial de notícias, que não participará de um encontro com membros da alta cúpula do governo da Coreia do Sul que estava marcado para esta quarta-feira (16). O motivo do cancelamento, afirma a notícia KCNA, foram os exercícios militares conjuntos entre o país do sul e os Estados Unidos.

Leia também: "Israel precisa calibrar o uso da força", critica ONU sobre violência em Gaza

Para as lideranças do norte, os exercícios militares seriam uma simulação de invasão do país, o qual classificaram com o “provocação” à Coreia do Norte .

O objetivo da reunião, que aconteceria em uma região fronteiriça entre os dois países, era reduzir a tensão militar existente e negociar que famílias separadas pela guerra pudessem se reencontrar.

Por meio de nota, os norte coreanos colocaram em dúvida se participarão, também, de um encontro com o presidente dos EUA , o magnata republicano Donald Trump .

"Este exercício dirigido a nós, que está sendo realizado em toda a Coreia do Sul e nos alvejando, é um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra o desenvolvimento político positivo na Península Coreana", diz a nota.

Leia também: Em meio a confrontos e discursos de paz, EUA inauguram embaixada em Jerusalém

EUA garante regime

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse neste domingo (13) que o país norte-americano irá garantir a permanência do líder da Coreia do Norte , Kim Jong-un, após um possível acordo.

Pompeo afirmou ainda que se o ditador norte-coreano concordar em desmantelar completamente seu programa de armas nucleares, o governo de Donald Trump permitirá que o setor privado americano invista no país.

Segundo Pompeo, se um acordo for fechado na reunião de cúpula entre Kim e Trump, prevista para o dia 12 de junho , “americanos do setor privado” poderiam “ajudar a construir a rede energética que a  Coreia do Norte  precisa”. Pompeo disse ao  Fox News Sunday  que os americanos também poderiam ajudar com investimentos em infraestrutura e agricultura.

Leia também: Atentado a prédio do governo deixa 15 mortos no Afeganistão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.