Grupo realizou ataque após ofensiva do governo sírio na província de Idlib, atualmente controlada por facções; operação conta com apoio aéreo russo

Segundo ministério russo, piloto conseguiu saltar do avião, mas foi morto por grupo de rebeldes na Síria
Reprodução/Twitter
Segundo ministério russo, piloto conseguiu saltar do avião, mas foi morto por grupo de rebeldes na Síria

Um grupo de rebeldes derrubou neste sábado (3) um avião de combate russo no província de Idlib e capturaram seu piloto após uma ofensiva organizada pelo Exército governamental sírio com apoio aéreo da Rússia, de acordo com a agência de notícias EFE . O avião, do modelo Sukhoi, caiu próximo à cidade de Saraqeb, no leste da província. A região é controlada por facções insurgentes, alvos da ofensiva síria desde 25 de dezembro.

Leia também: Trump ameaça cortar verba de países que não evitam a entrada de drogas nos EUA

Segundo informações o Observatório Sírio de Direitos Humanos, o piloto conseguiu saltar do avião de paraquedas, mas foi capturado e morto por uma das facções. As informações do Ministério de Defesa russo apontam que, antes de ser ejetado, o piloto conseguiu avisar que aterrisaria em uma zona da Síria que está sendo controlada pelos combatentes do grupo Jabhat Fateh al-Sham (também conhecido como Frente Al-Nusra).

Leia também: Disparos deixam ao menos seis imigrantes feridos na Itália; atirador foi preso

Somente neste sábado, os aviões e helicópteros militares lançaram 50 ataques aéreos contra Idlib, deixando pelo menos cinco mortos na cidade de Saraqeb, uma das mais importantes da província, que fica junto à estrada queliga Alepo à capital Damasco. Outras dezenas de pessoas ficaram feridas e centenas de casas foram destruídas.

Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque ao avião militar russo. Segundo Abdel Rahman, chefe do observatório, não se sabe qual facção derrubou o avião, mas grupos de oposição ao regime de Bashar al-Assad e o jihadista Hayat Tahrir al-Sham (HTS, ou Organização pela Libertação do Levante), apontada como filial da Al-Qaeda, também mantêm presença na província.

Leia também: Eike Batista vira youtuber e promete vídeos semanais sobre o Brasil

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 100 mil civis tiveram de ser deslocados desde o início da ofensiva das tropas governamentais. Os combates entre tropas da Síria e seus aliados contra as facções continuam e se concentram na área de Tel Tuqan, localizada a cerca de 11 quilômetros ao leste de Saraqeb. Com as mortes deste sábado, sobe para 192 o número de vítimas, desde 25 de dezembro, segundo o observatório.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.