Tamanho do texto

Ming Ming Chen confessou ter agredido a filha até causá-la uma lesão cerebral; ela e o marido esconderam o cadáver no restaurante da família

A chinesa alegou ter matado a filha após se sentir frustrada com seu temperamento 'difícil'
Reprodução/Stark County Sheriff's Department
A chinesa alegou ter matado a filha após se sentir frustrada com seu temperamento 'difícil'

Uma mulher confessou ter espancado a filha até a morte em Ohio, nos Estados Unidos. Em um dos seus depoimentos, a chinesa Ming Ming Chen, de 30 anos, disse que deu socos em Ashley Zhao, de 5 anos, até causar uma lesão cerebral na criança. A agressão ocorreu por ela ter voltado ‘extremamente desobediente’ de uma viagem à casa dos avós, na China. O caso ocorreu em janeiro do ano passado, porém só foi divulgado com a decisão da justiça nesta semana.

Leia também: Irritado com choro, pai mata bebê de seis meses ao 'dobrar' seu corpo ao meio

Ao ver que a filha estava morta, Chen pediu ao marido, Liang Zhao que se livrasse do corpo. Atendendo ao pedido da mulher, Zhao escondeu o cadáver da menina no restaurante de comida chinesa da família.

Depois de esconderem o corpo de Ashley, o casal espalhou cartazes por Ohio, alegando que a garota havia desaparecido. Com a mesma afirmação, eles entraram em contato com a polícia, que encontrou o cadáver no restaurante Ang's Asian Cuisine, na cidade North Canton, Ohio.

Ashley Zhao teve o corpo escondido no restaurante da família
Reprodução/ Jackson Township Police Department
Ashley Zhao teve o corpo escondido no restaurante da família

"Você não tem mais lágrimas, você não tem mais nada. Ming Ming, sua filha está morta", disse um dos oficiais para a mulher. Em resposta, Chen explicou que estava se sentindo sobrecarregada com as atividades do estabelecimento comercial e frustrada com o temperamento ‘difícil’ da criança nos últimos tempos.

Leia também: Homem é obrigado a reembolsar a mãe por gastos com sua própria criação

“Eu sei que a matei, e que pedi para meu marido cuidar do resto. Mas tinha muitas coisas para fazer, precisava cuidar do restaurante. Sou uma só, tenho apenas duas mãos. Não queria ter matado a Ashley, mas às vezes não controlamos nossas ações”, afirmou a agressora em interrogatório.

Decisão judicial

Na última sexta-feira (29), Ming Ming se declarou culpada das acusações, que incluem homicídio involuntário e exposição de menores a riscos. Ela foi condenada a 22 anos de prisão. Com as investigações, a polícia a identificou como uma imigrante ilegal, e deve deportá-la em breve.

Leia também: Idoso de 64 anos fica com olho "grudado" após confundir colírio com supercola

O marido de Chen também assumiu a culpa sobre a morte da filha. Ele relatou ter obstruído a justiça e ter abusado do cadáver. De acordo com os relatórios sobre o caso e com informações do jornal Mirror , Zhao ainda concordou em testemunhar contra a esposa, no tribunal.