Atentado do Estado Islâmico deixa 40 mortos em centro cultural afegão

Maioria das vítimas era de estudantes que debatiam no local; organização terrorista assumiu autoria do ataque que também atingiu agência de notícias
Foto: Reprodução/Twitter
Alvo do ataque suicida era o centro cultural Tabayan, em Cabul. O Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado

Pelo menos 40 pessoas morreram e outras 30 ficaram feridas, nesta quinta-feira (28), após um ataque suicida ocorrido em um centro cultural xiita de Cabul . O número de feridos está sendo atualizado pelo Ministério do Interior e a autoria do atentado foi reivindicada pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Leia também: Putin chama explosão em supermercado de São Petersburgo de 'ato terrorista'

"O alvo do ataque era o centro cultural Tabayan. Uma cerimônia acontecia para recordar o 38º aniversário da invasão soviética do Afeganistão no momento da explosão", afirmou o porta-voz adjunto do ministério do Interior, Nasrat Rahimi. O imóvel atingido pelo Estado Islâmico fica em Qala-e-Nazer, na região oeste da capital afegã.

Nessa explosão, a maioria das vítimas é composta por estudantes que participavam de um debate no local. As autoridades afirmam ainda que a explosão foi seguida por outras duas, menos potentes, que não deixaram vítimas.

Agência de notícias é atingida

O atentado desta quinta-feira atingiu também a sede da  Agência Voz Afegã , um meio de comunicação localizado próximo ao centro cultural. Há suspeitas de que a agência de notícias fosse alvo do ataque também.

Leia também: Vítimas de 2017: 11 milhões de crianças precisam de ajuda humanitária

Segundo o diretor da Voz Afegã , Sayed Hasan Hussaini, no momento do ataque às instalações, uma reunião de estudantes estava em andamento. De acordo com a imprensa local, além de jornalistas, entre as vítimas também há mulheres e crianças.

Segundo a CNN , antes dos extremistas islâmicos assumirem a autoria do atentado terrorista , o porta voz do grupo Talibã, Zabiullah Mojahid, negou qualquer responsabilidade deles no ataque.

Por sua vez, o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, afirmou que o ataque foi um "crime contra a humanidade". "O terrorismo matou nosso povo. Terroristas atacaram nossas mesquitas, nossos lugares santos e agora nosso centro cultural", declarou.

Para ele, os ataques são contra o islã e "todos os valores humanos".

O ataque do Estado Islâmico acontece três dias depois de um atentado suicida perto da sede da agência de inteligência afegã na capital que deixou seis mortos. 

Leia também: Mais uma vítima: Bebê de seis meses morre à espera de tratamento médico na Síria

* Com informações da Agência Ansa.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-12-28/estado-islamico-ataque-afeganistao.html