Presidente do Peru dá perdão a ex-ditador e motiva protestos na noite de Natal

Após se ver livre do impeachment, Kuczynski concedeu indulto de Natal ao ex-presidente Alberto Fujimori, condenado por crimes contra a humanidade; críticos acusam presidente de ter trocado perdão por apoio contra cassação
Foto: Humberto Morales
Manifestante em Ayacucho: indulto de Natal a Alberto Fujimori motivou protestos em diversas cidades no Peru

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, concedeu perdão humanitário ao ex-ditador Alberto Fujimori, que governou o país entre 1990 e 2000. Fujimori fora condenado a cumprir 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade e corrupção, mas agora está livre de sua sentença.

Adversário de Keiko Fujimori, filha do ex-ditador, na eleição presidencial do ano passado , Kuczynski prometeu durante sua campanha que não concederia perdão ao ex-presidente. Mas o atual mandatário do poder Executivo no Peru quebrou sua promessa nesse domingo (24) alegando ter recebido laudo médico indicando que Alberto Fujimori, de 79 anos de idade, sofre de "doença progressiva, degenerativa e incurável".

O gesto do presidente provocou revolta em grande parte da população, que foi às ruas de cidades como Lima e Ayacucho em plena véspera de Natal para protestar contra o indulto. Alguns poucos aliados ao ex-presidente também fizeram manifestações discretas para celebrar a decisão.

Filha de Fujimori e líder do partido Força Popular, Keiko comemorou o perdão ao seu pai por meio de sua conta no Twitter. "Hoje é um grande dia para minha família e para o fujimorismo! Finalmente meu pai está livre. Este será um Natal de esperança e alegria!", escreveu.

De acordo com a agência Reuters, ao menos dois ministros de Kuczynski contrários ao indulto pediram demissão após a decisão do presidente. Outros dois parlamentares do partido governista pediram a desfiliação nas últimas 24 horas.

Leia também: Por que o fujimorismo continua tendo apoio no Peru?

Impeachment por indulto?

Os críticos de Kuczynski acusam o presidente de ter concedido o indulto de Natal em troca do apoio recebido por deputados fujimoristas na votação que rejeitou seu impeachment, na última sexta-feira (22) . O governo nega que tenha existido qualquer acordo nesse sentido.

Kuczynski era acusado de ter recebido US$ 782 mil em propina da construtora brasileira Odebrecht no período entre 2004 e 2007, quando ele era ministro da Economia. Eram necessários 87 votos no Congresso peruano para decretar o impeachment do presidente, mas houve somente 79 votos nesse sentido.

Agora em liberdade e perdoado por seus crimes, Alberto Fujimori havia sido condenado em 2009 por ter autorizado a ação de grupos de extermínio contra civis durante sua ação contra a guerrilha. Ele foi considerado culpado pelas chacinas de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), episódios que deixaram 25 pessoas mortas no Peru por ação de um grupo militar à paisana.

Foto: AFP
Aos 79 anos de idade, ex-ditador Alberto Fujimori está livre de cumprir sentença de 25 anos de prisão


Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-12-25/peru.html