Donald Trump proíbe uso de “transgênero” em documentos de agência de saúde

Governo dos Estados Unidos criou nova orientação, proibindo o uso de outras seis expressões; internautas protestam com hashtag #CDC7words
Foto: Wikimedia Commons
Documentos do orçamento do Centro de Controle de Doenças de 2018 não poderão ter as sete expressões

O presidente Donald Trump proibiu que agentes do Centro de Controle de Doenças (CDC, em inglês) usem sete expressões em documentos do orçamento do órgão do ano que vem. A informação é do jornal Washington Post,  desta sexta-feira (15).

Leia também: Trump e Putin trocam elogios e falam sobre Coreia do Norte por telefone

As palavras proibidas pela administração de Donald Trump foram:

Vulnerável (vulnerable) 

Direito (entitlement)

Diversidade (diversity)

Transgênero (transgender)

Feto (fetus)

Baseado em evidência (evidence based)

Baseado na ciência (science based)

Analistas do CDC foram avisados na quinta-feira (16). O centro é responsável por pesquisas científicas sobre doenças, novas curas e tratamentos. Nos anos 1980, o órgão foi um dos primeiros centros de saúde a combater o vírus HIV, até então ainda não identificado.

Um dos funcionários falou com o jornal sob condição de anonimato. Segundo o analista, os colegas presentes na reunião ficaram "incrédulos" e reagiram dizendo: "É sério?", "É brincadeira?".

O porta-voz do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, ao qual os CDC é ligado, disse ao jornal que “continuará a usar a melhor evidência científica disponível para melhorar a saúde de todos os americanos”.

Em sua reportagem, o Washington Post ressalvou que a questão de como abordar temas como orientação sexual, identidade de gênero e direito ao aborto surgiu em diversos departamentos desde que Trump tomou posse nos  Estados Unidos, em janeiro.

Leia também: Mulheres da Arábia Saudita poderão dirigir motos e caminhões

Novas expressões

Algumas opções alternativas foram sugeridas pelo governo Trump para algumas das expressões.  Em vez de "baseado em ciência" ou "baseado em evidências", a frase sugerida é "CDC baseia suas recomendações em ciência em consideração com os padrões e desejos da comunidade".

No entanto,  em outros casos, nenhuma palavra de substituição foi oferecida de imediato.

Reações

No Twitter, o assunto virou uma dos mais comentados nos Estados Unidos e até a noite de sábado (16), liderava os trending topics no país, com 16 mil tweets com a hashtag CDC7words (CDC 7 palavras, em português).

Uma usuária, frustada com a decisão, fez a seguinte piada: “Quando eu concorrer nas eleições, o slogan da minha campanha será simplesmente: ‘Vulnerável diversidade do direito transgênero feto baseada em evidências baseada na ciência’”.


O presidente Donald Trump , que costuma usar o Twitter para fazer suas declarações, ainda não se pronunciou sobre o caso.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-12-16/donald-trump-palavras-proibidas-cdc.html