Mulher finge ser intérprete de sinais em coletiva da polícia

A mulher simplesmente chegou no local da coletiva, sem dizer quem era e começou a gesticular sinais sem significado; Polícia falava sobre serial killer
Foto: Reprodução/Facebook
Roberts gesticulou durante coletiva e parecia traduzir o porta-voz da polícia, em um primeiro momento

Uma coletiva de imprensa nos Estados Unidos virou manchete pelos motivos errados nesta semana. A Polícia da Flórida divulgava informações sobre uma série de assassinatos na cidade de Tampa, na terça-feira (5), quando uma mulher se prontificou ao lado do porta-voz e começou a traduzir o evento na língua de sinais para surdos. No entanto, como foi descoberto mais tarde pelos policiais, ela não foi contratada para isso, nem comunicou nada na linguagem de gestos.

Veja também: Youtuber cimenta a cabeça em micro-ondas e precisa ser resgatado por bombeiros

Identificada como Derlyn Roberts, a mulher simplesmente chegou no local onde acontecia a coletiva, sem dizer quem era e começou a gesticular [veja o vídeo abaixo]. Mas surdos e mudos que viram a cena pela televisão perceberam que os sinais que ela fazia eram falsos e não significavam nada. A mãe de Monica Hoffa, uma das vítimas, estava presente, de acordo com a CNN, e por ser surda, percebeu a encenação.


As imagens da falsa intérprete foram analisadas por tradutores oficiais. "Na maior parte do tempo, parecia que ela estava se comunicando, mas não usando sinais reais", disse a professora da Universidade do sul da Flórida, Rachelle Settambrino, em entrevista à rede de TV ABC. "Quando ela estava soletrando palavras, ela não estava escrevendo nada. Eles eram apenas bobagens mais do que qualquer coisa".

A Polícia se justificou dizendo que achou que ela era uma tradutora terceirizada, não contratada diretamente pela corporação. De acordo com a corporação, ela não cometeu nenhum crime e não pode ser indiciada por nada, sendo culpada somente de uma violação ética.

"Ela estava de pé, torcendo as mãos para frente e para trás. Eu poderia dizer na hora que os intérpretes não fazem isso", disse Betti Bonni à ABC, uma intérprete certificada da língua de sinais.

Não se sabe porque Roberts fez a tradução falsa. A imprensa norte-americana revelou durante a semana que ela já foi presa várias vezes por fraude e chegou a cumprir pena na penitenciária estadual da Flórida.

Serial killer

Um homem havia sido preso na terça-feira, suspeito de ter matado quatro pessoas à tiros enquanto caminham pelo bairro de Seminole Heights, em Tampa, quando a polícia fez a coletiva de imprensa. Os casos não têm relação aparente entre si, mas a Polícia acredita que todos foram obra de um único assassino.

O principal suspeito é Howell Donaldson II, estudante universitário de 24 anos, que, preso, disse estar “bem” quando foi interrogado pelos policiais.

Leia também: Donald Trump usa dentaduras? Entenda a nova 'discussão' sobre o líder dos EUA

Monica Hoffa, de 32 anos, foi morta no dia 11 de outubro, a única mulher das vítimas. Filha de uma mãe que não conseguia ouvir, ela aprendeu e falava a língua de sinais.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-12-08/interprete-falsa.html