A decisão dos EUA de transferir embaixada de Tel Aviv para a cidade sagrada causou desconforto internacional: autoridades afirmam que processo de negociação de paz entre palestinos e israelenses será prejudicado; entenda

Os 15 países-membros do Conselho de Segurança da ONU irão se reunir amanhã para avaliar resposta a Trump
Divulgação/ONU
Os 15 países-membros do Conselho de Segurança da ONU irão se reunir amanhã para avaliar resposta a Trump

Uma reunião de urgência foi marcada para a sexta-feira (8) pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a fim de analisar o anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que reconheceu Jerusalém como a capital de Israel ontem, também anunciando a mudança da embaixada de Tel Aviv para a cidade sagrada.

Leia também: "Trump abriu as portas do inferno", diz Hamas após decisão sobre Jerusalém

Os 15 integrantes do Conselho da ONU irão participar da reunião, ou seja, Bolívia, Egito, França, Itália, Reino Unido, Senegal, Suécia e Uruguai. As autoridades irão decidir qual a resposta darão ao governo de Trump depois da decisão polêmica – os Estados Unidos se tornaram o primeiro país (e único) a ter uma embaixada em Jerusalém, terra considerada sagrada por judeus, cristãos e muçulmanos.

Após o anúncio do presidente americano, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, insistiu para que o status final da cidade sagrada seja resolvido por meio de negociações diretas entre israelenses e palestinos. Além disso, Guterres reforçou seu posicionamento de oposição a qualquer “medida unilateral” que possa colocar em risco o processo de paz entre os dois povos.

A decisão e a polêmica

Conforme esperado, o presidente Trump fez um discurso na tarde de ontem em que ordenou a mudança da embaixada americana em Israel, reconhecendo Jerusalém como a capital do país. Ao contrário do que o governo republicano defende, a ação é considerada polêmica e perigosa, pois pode travar as negociações de paz entre palestinos e israelenses. Ademais, a decisão é vista por outros países muçulmanos como uma provocação.

Leia também: Trump reconhece oficialmente Jerusalém como a capital de Israel

Porém, fontes internas da Casa Branca reconhecem que a mudança pode travar tais negociações. A questão que ainda não foi respondida é: quanto tempo o impasse pode durar? “Estamos preparados para o descarrilamento - temporário, espero. É claro que será temporário”, disse um alto funcionário do governo à “CNN”, que ainda reconheceu que a equipe de paz dos EUA não conversou com os (agora) furiosos funcionários palestinos desde o anúncio do Trump.

Esse “rompimento”, ou seja, o reconhecimento de Jerusalém como capital parece ter sido “o preço” que a Casa Branca estava disposta a aceitar a fim de cumprir uma promessa da campanha  eleitoral. De acordo com dois altos funcionários, muitas pessoas “sentiram em ter de fazer o anúncio agora - antes de israelenses e palestinos chegarem à mesa de negociações”.

O anúncio ontem deixou as autoridades palestinas bastante alarmadas. O líder palestino, Mahmoud Abbas, e seu negociador chefe, Saeb Erakat, criticaram a decisão dos EUA e afirmaram que o movimento de Trump "desqualificou" o seu país na mediação do processo de paz.

Os funcionários da Casa Branca expressaram a esperança de que a administração republicana tenha conquistado confiança suficiente com os palestinos para amenizar tal atrito, mas disseram que ainda não podem responder quando “o relacionamento poderá ser remendado”.

Leia também: Decisão de Trump sobre capital de Israel gera mal-estar mundial

A mudança da embaixada em Israel é uma questão que abala a política externa dos EUA há décadas. A decisão de Trump acontece em meio a uma série de contratempos com os palestinos, incluindo uma ameaça anterior, feita pelo Departamento de Estado, de fechar o escritório da Organização Palestina de Libertação em Washington.

Revolta

Enquanto o Conselho de Segurança da ONU não se reúne para discutir o reconhecimento dos EUA sobre Jerusalém, o grupo muçulmano Hamas convocou uma nova intifada nesta quinta-feira, clamando uma revolta do povo palestino contra a política de expansão do governo de Israel.

*Com informações da Agência Brasil e "CNN"

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.