Avós da Praça de Maio encontram a 126ª neta sequestrada na ditadura argentina

Mulher de 40 anos de idade é filha de casal de militantes da guerrilha urbana que foram raptados entre 1976 e 1977; "Estou feliz e plena", disse a mulher
Foto: Divulgação/Abuelas Plaza Mayo
'La nieta 126' ao lado da presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto; retratos mostram pais da jovem

grupo ativista argentino Avós da Praça de Maio anunciou nesta terça-feira (5) a identificação da 126ª criança sequestrada durante a ditadura militar que prevaleceu no poder no país entre 1975 a 1983.

A neta de número 126 é filha de Violeta Graciela Ortolani e Edgardo Roberto Garnier, dois ex-ativistas políticos da guerrilha urbana Montoneros. De acordo com comunicado das Avós da Praça de Maio , Violeta foi sequestrada em dezembro de 1976, quando estava com oito meses de gestação. Edgardo então iniciou uma empreitada solitária em busca da esposa e de sua filha, mas também acabou raptado, em fevereiro de 1977.

' La nieta 126 ', que não teve a identidade divulgada (procedimento de praxe do grupo ativista), buscou descobrir suas origens após sua família de criação revelar que ela não era filha biológica do casal que a criou.

A mulher de 40 anos de idade então buscou as Avós, que notaram que a certidão de nascimento da moça havia sido assinada pela médica Juana Franicevich, a mesma profissional que havia fraudado documentos de três netos localizados recentemente pelo grupo ativista.

A verdadeira identidade de seus pais foi revelada após a realização de exames genéticos com base no banco de dados da Comissão Nacional pelo Direito à Identidade (Conadi).

Leia também: Tiroteio deixa um morto e dois feridos em aeroporto na França

Foto: Divulgação/Abuelas Plaza Mayo
126ª neta encontrada pelas Avós da Praça de Maio é filha de militante sequestrada quando estava grávida de 8 meses

Reencontro com a avó

A mais nova neta das Avós da Praça de Maio pôde conhecer sua avó paterna, Blanca Díaz de Garnier, que vive em Concepción del Uruguay, localidade argentina na fronteira com o Uruguai.

"Estou feliz e plena. Isso não é somente uma ficha, é todo um enigma que foi solucionado e agora minha vida está completa", disse ' la nieta 126 ' durante evento realizado nesta terça-feira. "Tenho uma bela família... Tenho uma avó... Não posso acreditar. Aos 40 anos e eu tenho uma avó e ontem já consegui falar com ela. Ela é um gênio e eu a mo. Ela é linda por dentro e por fora", relatou a jovem.

Em nota, as Avós da Praça de Maio alegaram que esses reencontros "renovam as esperanças" para que o grupo "redobre os esforços" em suas buscas. "Vão sobrando poucas avós. Há poucos dias tivemos a tristeza de nos despedir de duas grandes companheiras que não puderam ter seus tão esperados reencontros. Com a urgência do tempo que corre, voltamos a fazer um apelo à sociedade para que nos ajudem nas buscas, que já duram 40 anos", diz o comunicado.

Calcula-se que cerca de 500 bebês tenham sido roubados de seus pais durante a ditadura militar na Argentina. Segundo o governo do país e organizações de direitos humanos, cerca de 30 mil pessoas desapareceram durante a ditadura.

Leia também: O que a Lava Jato nos ensinou: entenda aqui como funciona o esquema de corrupção


Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-12-05/avos-da-praca-de-maio.html