Submarino desaparecido enviou sete chamadas para a Marinha da Argentina

Desaparecida desde a última quarta-feira (15), tripulação do ARA San Juan tentou se comunicar com bases, mas chamadas não chegaram a se completar

A Marinha da Argentina registrou no sábado (18) sete chamadas por satélite realizadas para diferentes bases. De acordo com informações da agência de notícias EFE , as tentativas de comunicação foram feitas pelo submarino ARA San Juan, desparecido desde a quarta-feira (15) com 44 tripulantes a bordo. As chamadas para as bases, no entanto, não chegaram a se completar.

Leia também: Chile realiza eleições presidenciais com expectativa de abstenção em alta

"Com a colaboração de uma empresa americana especializada em comunicação por satélite, trabalha-se agora para determinar a localização precisa doemissor dos sinais, supondo que poderia se tratar do submarino que leva a bordo 44 tripulantes", diz o comunicado do Ministério de Defesa argentino. Segundo as autoridades locais, as chamadas foram realizadas entre as 10h52 (no horário local e 11h52 em Brasília) e 15h42 (16h42).

Foto: Divulgação/Marinha da Argentina
Tripulação do submarino ARA San Juan realizou chamadas entre 10h52 e 15h42 do horário local

Leia também: Saída de Mugabe da presidência voltará a ser negociada neste domingo

Ainda de acordo com o ministério, as tentativas de comunicação duraram entre 4 e 36 segundos. "A última posição conhecida do ARA San Juan é na área de operações do Golfo San Jorge, a 240 milhas náuticas [da costa argentina], o equivalente a 432 quilômetros", detalham as autoridades. O último relato do submarino foi registrado na madrugada de quarta-feira. O protocolo de busca foi ativado na quinta-feira (16) a tarde.

De origem alemã, o submarino havia partido na segunda-feira (13) do porto de Ushuaia e se dirigia de volta para sua base, na província de Buenos Aires. À frente da operação, o ministro de Defesa argentina, Oscar Aguad, antecipou o retono de Vancouver, no Canadá, onde participava de um encontro organizado pela Organização das Nações Unidas, para se encontrar com as famílias dos tripulantes. 

Leia também: Temer e Maia discutem andamento da reforma da Previdência na Câmara

A operação de rastreamentos e regaste do submarino, a cargo da Marinha e comandada pelo Ministério da Defesa, utiliza uma aeronave de exploração antissubmarina, assim como outros navios da Marinha com helicópteros embarcados. Em sua conta no Twitter, o presidente Mauricio Macri afirmou que o governo está comprometido a utilizar "todos os recursos nacionais e internacionais" para localizar os tripulantes "o mais rápido possível".

* Com informações da Agência Brasil.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-11-19/submarino-argentina-chamados.html