Atirador do Texas havia sido expulso da Força Aérea dos EUA por agressão

Segundo testemunhas, Devin Patrick Kelley era também um ex-fiel da igreja onde executou o massacre; ao menos 26 morreram e mais de 20 se feriram
Foto: Reprodução/ The Independent
Kelley morreu durante uma perseguição policial, após atacar uma igreja no Texas, neste domingo

O autor do  ataque a tiros que deixou mortos e feridos na 1ª Igreja Batista de Sutherland Springs – a 45 quilômetros de San Antonio, no Texas – neste domingo (5), foi identificado pela polícia local como Devin Patrick Kelley, um jovem branco de 26 anos, que já fez parte da Força Aérea norte-americana. 

De acordo com o jornal  Los Angeles Times , o atirador do Texas serviu no Novo México, de 2010 a 2014, quando foi dispensado. O motivo para a sua dispensa foi uma denúncia de agressão contra sua esposa, Danielle Lee Shields, e seus filhos.

Por conta da denúncia, Kelley foi julgado em um tribunal militar em 2012, condenado a ficar 12 meses sob custódia e, por conta de seu mau comportamento, foi dispensado da instituição.

Kelley morreu nesse domingo, durante uma perseguição policial, após ter entrado na igreja e disparado contra as pessoas que estavam reunidas para uma celebração dominical. Ao menos 26 pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas. 

As vítimas, segundo o governador do estado, Greg Abbott, tinham entre 5 e 72 anos. Entre os mortos estão Annabelle Pomeroy, filha de 14 anos do pastor Frank Pomeroy. Esse foi o terceiro tiroteio em uma igreja norte-americana em três anos.

Perguntas ainda sem respostas

Tratado como um crime de ódio pelo FBI, o tiroteio ainda tem perguntas não respondidas. Um delas é relacionada à morte de Kelley – não se sabe se ele foi morto durante a perseguição policial ou se cometeu suicídio em meio à tentativa de fuga. 

Leia também: Atirador do massacre de Las Vegas tinha 42 armas em sua casa e no hotel

Além disso, Devin Kelley teve a conta pessoal retirada do ar pelo Facebook, mas, segundo a imprensa local, ele tinha várias fotos de armas de fogo e era possível perceber que era um aficcionado por armamento.

Entretanto, a mesma imprensa norte-americana também ouviu testemunhas que disseram que ele era um ex-fiel da igreja onde executou o massacre e seria, inclusive, um professor religioso.

De acordo com a polícia local, o carro usado por Kelley tinha munição e outras armas de fogo. Ao entrar na igreja, conforme testemunhas, ele usava uma roupa com colete à prova de balas.

Controle de armas: Obama x Trump

Pouco tempo após o supremacista branco Dylann Roff matar, em junho de 2015, nove pessoas negras que estavam na histórica igreja Emanuel, em Charleston, na Carolina do Sul, o ex-presidente Barack Obama afirmou que uma das suas maiores frustrações em oito anos de governo era não ter conseguido levar ao Congresso uma legislação pelo controle de armas.

Roof, hoje com 23 anos, foi condenado em janeiro deste ano à pena de morte. Ele cometeu o crime com uma arma que havia ganhado recentemente de presente de aniversário.

Criticado após o ataque desse domingo, nesta segunda-feira (6), presidente Donald Trump disse que o ataque que deixou 26 mortos e 20 feridos no Texas é resultado de um "problema de saúde mental" e que não envolve as leis que permitem o comércio e o controle de armas no país.

Leia também: Após massacre a tiros, Trump foge de discussão sobre lei das armas nos EUA

* Com informações da Agência Brasil.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-11-06/atirador-texas-forca-aerea.html