Homem diz que não se lembra de estuprar ex-namorada por sofrer de "sexsomnia"

A ex-namorada do escocês disse ter sido abusada diversas vezes enquanto ela dormia; ele já havia sido acusado de estuprar outra mulher há sete anos
Foto: Reprodução/The Independent
Para justificar as alegações da ex-namorada, o escocês Lawrence Barilli explicou que sofre de sexsomnia


Lawrence Barilli, de 35 anos, está sendo acusado de estupro por violentar sua ex-namorada enquanto ela dormia. De acordo com a vítima, os abusos aconteceram diversas vezes durante o relacionamento do casal. Porém, o réu alegou que “não tem memória” do que ocorreu porque sofre de “sexsomnia”, uma condição que faz a pessoa ter desejos sexuais durante o sono.

Leia também: Mulher flagra momento em que filho é atingido por raio enquanto usa guarda-chuva

A mulher explicou que os episódios começaram pouco tempo após os dois começarem a se relacionar. “Eu não sabia muito bem o que pensar. Achava que ele quisesse apimentar o relacionamento, mas não gostei”, conta. Morador da cidade de Clydebank, na Escócia, agora Barilli está sendo julgado pela Corte de Glasgow, município mais populoso do país. Barilli também é acusado de estupro e abuso sexual contra outra ex-namorada, dessa vez, entre 2008 e 2010. Ele negou todas as alegações.

De acordo com o portal britânico Metro , o escocês alegou que foi diagnosticado pelo seu médico de família com sexsomnia, uma doença que “o obriga a fazer aquilo”, por isso não se lembrava de nenhum dos casos relatados pela vítima.

Absolvido por "não saber que estuprar é crime"

Em outra ocorrência, que também contou com explicações incoerentes para abusos sexuais, um homem foi absolvido da acusação de estuprar sua própria esposa sob a argumentação de que “ele não sabia que fazer sexo sem o consentimento da outra parte é crime” , conforme explicou Robert Smith, o juiz responsável. Esse caso aconteceu no Canadá.

De acordo com o portal  Ottawa Citzen , a mulher confirmou que fez sexo sem seu consentimento inúmeras vezes por achar que era a sua obrigação , já que ela e o marido tinham a "impressão de que este era um dos direitos do homem". Entretanto, anos depois do caso de 2002, a palestina ouviu de um policial que as situações as quais foi submetida configuram crime e, por isso, decidiu denunciar o agora ex-marido.

Leia também: Viúva de soldado morto confirma frases insensíveis do presidente Donald Trump

Após anunciar sua sentença, Smith ainda completou dizendo que “o casamento não pode ser um escudo para um estupro. Porém, a questão neste julgamento é, considerando todas as evidências, se a promotoria conseguiu provar todas as alegações acima de qualquer suspeita”.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-10-24/estupro-durante-sono.html