Por retaliação a estupro de menina, anciões ordenam abuso da irmã do criminoso

A polícia de Muzaffarab, no Paquistão, prendeu 20 pessoas acusadas de envolvimento nos dois casos de abuso sexual, ocorridos na semana passada
Foto: shutterstock
Diretor de centro de proteção à mulher afirma que, em apenas quatro meses, quase 40 casos de estupro foram relatados na região

Qual a melhor maneira para aplicar justiça em um caso de abuso sexual de uma menina de apenas 12 anos? Você pode pensar que o estuprador teria de ser preso, ser condenado à prisão perpétua, por exemplo. Mas, para anciões de uma vila paquistanesa, o crime só poderia ser retaliado com... O estupro de outra vítima, a irmã do criminoso.

Leia também: Homem é executado décadas após estuprar e matar criança de três anos nos EUA

De acordo com a rede de TV “CNN”, anciões paquistaneses ordenaram que uma adolescente de 17 anos fosse abusada sexualmente por homens da comunidade, depois de seu irmão ser acusado de estupro . Nesta quinta-feira (27), a polícia do país prendeu 20 pessoas envolvidas nos dois crimes ocorridos na semana passada, na cidade de Muzaffarabad, no sul do Paquistão.

A mãe da primeira vítima afirmou aos policiais que a filha, de apenas 12 anos, teria contado a ela que sofreu o abuso enquanto cortava grama em um campo aberto. Assim, se dirigiu aos anciões, que são bastante respeitados pela comunidade, que, por sua vez, deliberaram qual poderia ser a retaliação ao crime.

Leia também: Pedófilos britânicos que estupraram e urinaram em vítimas são condenados

Assim, chegaram à conclusão de que seria justo que uma das irmãs do criminoso fosse a próxima vítima da violência sexual .

“As duas irmãs mais velhas do estuprador teriam sido apontadas, mas os líderes decidiram que a vítima seria a adolescente de 17 anos”, explicou a polícia ao canal. “As mães e as irmãs das vítimas protestaram a decisão, mas os anciões trouxeram armas e ameaçaram matá-las”, completou.

Os investigadores ainda estão buscando informações para detalhar o caso. Nenhuma das pessoas envolvidas nos casos foi identificada para evitar possíveis novas retaliações dentro da comunidade paquistanesa.

Abusos são comuns na região

O diretor do Centro de Prevenção à Violência contra as Mulheres de Multan, Salman Sufi, disse à “CNN” que as duas mães e as respectivas filhas violentadas foram atendidas pelos profissionais do centro. Ele ainda contou que a segunda vítima, de 17 anos, chegou ao local no dia 19 de julho, três dias depois da primeira vítima e sua mãe buscarem ajuda.

Leia também: Cristão mata filha adolescente após descobrir namoro com muçulmano em Israel

“Exames médicos foram realizados nas duas, sendo confirmado que sofreram abuso sexual ”, afirmou Sufi.

O centro de proteção às mulheres foi aberto em março deste ano, conversando diretamente com a polícia para assistir às vítimas. “Desde março de 2017, nos quatro meses desde que começamos a trabalhar, recebemos e resolvemos 38 casos de estupro, somente nesta região”, disse o diretor.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-07-27/estupro-paquistao.html