Estratégia anunciada nesta sexta-feira visa não deslocar o grupo terrorista das áreas onde opera e sim eliminá-lo onde estiver; tática também pretende evitar que combatentes estrangeiros possam fugir e retornar a seus países

Anúncio da estratégia contra o Estado Islâmico ocorre na véspera do início da primeira viagem internacional de Trump
Reprodução/Instagram
Anúncio da estratégia contra o Estado Islâmico ocorre na véspera do início da primeira viagem internacional de Trump

O secretário de Defesa dos EUA, general James Mattis, anunciou nesta sexta-feira (19) que o presidente Donald Trump ordenou a adoção da estratégia de "cercar e aniquilar" o Estado Islâmico em todas as zonas onde o grupo jihadista opera. As informações são da agência EFE.

Leia também: Donald Trump e Arábia Saudita planejam acordo bilionário de armas

Em uma coletiva de imprensa no Pentágono, Mattis assegurou que o objetivo é que o Estado Islâmico não escape das zonas onde resiste, a fim de eliminá-lo. Junto ao chefe do Estado Maior, general Joseph Dunford, Mattis anunciou uma "mudança tática" que não buscará deslocar os jihadistas de suas posições, mas "cercá-los".

Impedir a fuga

A nova estratégia – que não se restringirá à Síria e ao Iraque apenas, mas também alcançará outros lugares onde há presença do grupo jihadista, como Líbia e Afeganistão – pretende fazer com que os combatentes estrangeiros que se juntaram ao grupo terrorista não possam fugir e retornar a seus países.

"Os combatentes estrangeiros são uma ameaça estratégica", apontou Mattis, dizendo que "aniquilará" essa ameaça para que não ponham em risco outros países.

Leia também: Carro atropela pedestres e deixa um morto e 19 feridos na Times Square, em NY

Ele disse que as regras de combate não mudarão e que continuará tentando fazer o possível para minimizar as vítimas civis nos bombardeios e operações americanas de apoio às forças locais na Síria e no Iraque.

O anúncio da nova estratégia ocorre na véspera do início da primeira viagem internacional de Trump como presidente à Arábia Saudita, Israel e Europa, onde a luta contra o terrorismo jihadista será tema central das conversas, especialmente na capital saudita Riad e na reunião de cúpula da Otan, em Bruxelas.

Leia também: Síria enforca e queima cerca de 50 presos por dia em Damasco, acusam EUA

Recuperação

As forças iraquianas estão a ponto de libertar totalmente a cidade iraquiana de Mosul, que há três anos marcou o início da rápida expansão do Estado Islâmico na Síria e Iraque. Além disso, forças curdas e árabes, aliadas da coalizão contra o grupo terrorista, estão preparando uma ofensiva contra a cidade de Al Raqqa, na Síria, tida como a capital de fato do grupo jihadista.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.