Candidato da centro-esquerda vence eleições na Coreia do Sul, diz boca de urna

Com a vitória do liberal Moon Jae-in, diálogo entre as duas Coreias deve ser conciliatório; sua eleição dará fim a quase uma década de conservadorismo
Foto: Jeon Heon-Kyun/Agência Lusa
Moon (foto) substituirá Park Geun-hye, que foi retirada do poder na Coreia do Sul devido a um escândalo de corrupção

O político liberal Moon Jae-in venceu a eleição presidencial da Coreia do Sul, nesta terça-feira (9), segundo as pesquisas de boca de urna. Tal vitória, que já era esperada, dará fim a quase uma década de governo conservador e poderá trazer uma abordagem mais conciliatória em relação à Coreia do Norte. 

Leia também: Acusada de corrupção, ex-presidente da Coreia do Sul é presa nesta quinta-feira

De acordo com as pesquisas, que têm sido conduzidas em conjunto por três emissoras de televisão da Coreia do Sul , o político, de 64 anos, deve derrotar o adversário conservador Hong Joon-pyo, um ex-promotor, ao conquistar 41,4% dos votos contra 23,3%.

Se confirmada a vitória do candidato do opositor Partido Democrático, Moon substituiria Park Geun-hye, que foi retirada do poder em dezembro pelo Parlamento devido a um amplo escândalo de corrupção.

A votação encerra um vácuo de liderança que durou meses desde o impeachment de Park, que se tornou a primeira líder sul-coreana eleita democraticamente a ser retirada do cargo. Park está presa e em julgamento, mas nega qualquer irregularidade. Ela decidiu não votar, relatou a mídia local.

Leia também: Ex-presidente que sofreu impeachment na Coreia do Sul deve ir para a prisão

Crítica ao conservadorismo

Uma pesquisa do instituto Gallup Korea da semana passada mostrou Moon com 38% de apoio entre 13 candidatos, e o político de centro Ahn Cheol-soo como seu adversário mais próximo com 20% das intenções de voto.

Moon favorece o diálogo com a Coreia do Norte para aliviar a crescente tensão sobre os programas nuclear e de mísseis em andamento pelo regime de Pyongyang. Ele também quer reformar poderosos conglomerados liderados por famílias, como Samsung e Hyundai, e estimular o gasto fiscal para criar empregos.

O liberal, que em 2012 perdeu para Park por uma pequena margem, criticou os dois governos conservadores anteriores por não terem conseguido refrear o desenvolvimento de armas norte-coreano. Ele defende uma política dupla de diálogo e de manutenção da pressão e das sanções para incentivar mudanças.

Leia também: Após impeachment, ex-presidente sul-coreana é acusada de maus tratos aos animais

Em uma transmissão ao vivo no YouTube nesta terça-feira, ele disse que a Coreia do Sul deveria ter uma atuação diplomática mais ativa para conter a ameaça nuclear do Norte e não assistir passivamente enquanto os Estados Unidos e a China conversam entre si.

* Com informações da Agência Brasil.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-05-09/coreia-do-sul.html