De acordo com o jornalista, quando Trump faz algum movimento contra Assad, ele atua a favor da presença do grupo terrorista na Síria; entenda

Afinal, quem se beneficiaria de uma possível queda do ditador na Síria? Jornalista defende que o Estado Islâmico adoraria
Reprodução/CNN
Afinal, quem se beneficiaria de uma possível queda do ditador na Síria? Jornalista defende que o Estado Islâmico adoraria

Antes de bombardear uma base militar na Síria, nesta quinta-feira (6), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sustentava um discurso de que o líder sírio Bashar al-Assad era considerado um aliado da coalisão internacional na luta contra o Estado Islâmico. Hoje, porém, após o bombardeio, tal aliança parece ter enfraquecido.

Leia também: Veja tudo sobre o Estado Islâmico no iG

Mas, afinal, quem se beneficiaria de uma possível queda do ditador na Síria? Um jornalista da rede norte-americana de televisão CNN defende que tal cenário seria útil para a ação do grupo terrorista e que, portanto, o recente ataque de Trump seria, indiretamente, uma ajuda dos Estados Unidos ao Estado Islâmico .

"Estamos dizendo agora que estamos contra Assad? Queremos fortalecer o EI? Queremos que o regime de Assad caia? Em caso afirmativo, estamos dispostos a nos comprometer com esse objetivo?", perguntou o âncora da CNN, Fareed Zakaria, durante a transmissão do ocorrido na noite desta quinta.

Leia também: Estado Islâmico chama Trump de 'idiota que não sabe o que é Síria e Iraque'

"Há um perigo de que, efetivamente, estejamos atuando como força aérea do EI. Porque qualquer coisa que enfraqueça Assad – mesmo que em um sentido estratégico na Síria – fortalece o EI", disse Zakaria. "Eles são os dois principais jogadores no terreno", afirmou.

Falta estratégia

Embora tenha questionado a atuação da força militar norte-americana, o jornalista declarou que concorda que Assad mereça retaliações por conta do ataque químico na Síria.

A Síria é dividida em três frentes: os apoiadores de Bashar al-Assad, os rebeldes e os membros do Estado Islâmico
UNRWA/ Fotos Públicas - 30/01/2014
A Síria é dividida em três frentes: os apoiadores de Bashar al-Assad, os rebeldes e os membros do Estado Islâmico

No entanto, acredita que, ao assumir o papel de "líder moral" com a força militar, os Estados Unidos não estejam trabalhando com estratégia.

"Podemos, de alguma forma, fazer Assad pagar algum tipo de preço por isso [ataque químico]. Isso faz com que todos sintamos que os Estados Unidos estão, de certo modo, reafirmando seu papel como líderes morais", salientou.

"Mas o estrategista militar Samuel Huntington costumava dizer que 'a força militar não é um bom instrumento de comunicação, é um instrumento de compelência'", disse. "Como estratégia, você precisa querer que o outro lado faça alguma coisa. Qual é a nossa estratégia política?", perguntou.

Leia também: Polícia de Londres nega ligações entre terrorista morto e o Estado Islâmico

O Estado Islâmico domina geograficamente regiões da Síria e do Iraque, com a presença de mais de 25 mil membros do grupo terrorista nessas regiões. Na Síria, porém, uma guerra civil de anos, entre apoiadores de Assad e rebeldes agrava a situação e faz ainda mais vítimas entre os civis.


    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.