Tamanho do texto

Trajeto é usado por imigrantes que tentam viajar da Líbia para a Itália em embarcações lotadas; pelo menos 3,8 mil morreram no caminho em 2016

Segundo estimativa da Acnur, a cada 88 imigrantes que tentaram entrar na Europa neste ano, um morreu
Massimo Sestini/Italian Navy
Segundo estimativa da Acnur, a cada 88 imigrantes que tentaram entrar na Europa neste ano, um morreu

Com o objetivo de ajudar a Líbia a controlar a sua costa e as suas fronteiras, a União Europeia deve anunciar, em fevereiro, um pano para fechar a chamada Rota do Mediterrâneo. A rota é hoje utilizada por milhares de imigrantes que tentam viajar perigosamente da Líbia para a Itália em embarcações extremamente lotadas.

LEIA MAIS: Ao menos 3,8 mil imigrantes morreram no Mediterrâneo em 2016

O projeto será divulgado pela alta representante para Política Externa da UE, a italiana Federica Mogherini, durante uma cúpula informal em Valeta, na capital de Malta. Entre os principais pontos do "fechamento" da Rota do Mediterrâneo , estará o treinamento da Guarda Costeira da Líbia e o fornecimento de meios navais para que o país africano tenha um papel central no controle de suas águas territoriais.

É comum que navios europeus, sob coordenação da Guarda Costeira da Itália, realizem operações de resgate na costa da Líbia e levem os imigrantes para portos das regiões de Sicília, Calábria e Puglia, no sul da península. Se a Líbia assumir essa função, os deslocados externos passarão a ser levados de volta ao país africano.

LEIA MAIS: No Brasil, nova proposta de Lei da Migração prevê ingresso de imigrantes a cargos públicos

Além disso, a União Europeia vai propor pelo menos 200 milhões de euros de financiamento para projetos na Líbia e reforçará suas fronteiras com Egito, Tunísia e Argélia, em colaboração com os governos dessas três nações, para evitar o surgimento de rotas alternativas.

Também serão anunciadas medidas para melhorar as condições de vida nos campos de acolhimento em território líbio e para incentivar o retorno de imigrantes econômicos, que não têm direito a refúgio, a seus países de origem.

Rota do Mediterrâneo

Em 2016, o caminho marítimo entre Líbia e Itália voltou a ser a principal rota migratória do Mediterrâneo, após a União Europeia ter chegado a um acordo com a Turquia para fechar a chamada "via balcânica", que começava na Síria e entrava na Europa pela Grécia.

LEIA MAIS: Mesmo com Trump, emissão de visto para investidor imigrante deve aumentar

No trajeto da Rota do Mediterrâneo, que tem como destino o litoral italiano, a maioria dos imigrantes é de origem africana, principalmente da região subsaariana. No ano passado, a Itália recebeu 181 mil deslocados externos, um crescimento de 20% em relação a 2015.

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.