Tamanho do texto

Kim Jong-un havia afirmado que míssil intercontinental estava pronto; ainda nesta terça, Senado e Câmara dos EUA passam a ter maioria republicana

Trump respondeu às ameaças de Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, sobre mísseis intercontinentais
iG São Paulo
Trump respondeu às ameaças de Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, sobre mísseis intercontinentais

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que nenhum míssil norte-coreano atingirá o território americano. A afirmação, que foi feita nesta segunda-feira (2), acontece em resposta às declarações do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, sobre seu míssil balístico intercontinental.

+ Putin parabeniza Trump e diz que Guerra Fria acabou

"A Coreia do Norte acaba de afirmar que se encontra em fase final de desenvolvimento uma arma nuclear capaz de alcançar zonas dos Estados Unidos. Isto não ocorrerá!", escreveu Trump no Twitter.

Um dia antes, Kim Jong-un afirmou que o país está na "última fase antes de testar um míssil balístico intercontinental". Kim garantiu, em sua mensagem de Ano Novo, que a Coreia do Norte é agora uma "potência militar do Leste que não pode ser alcançada, mesmo pelo inimigo mais poderoso".

O país realizou dois testes nucleares e numerosos lançamentos de mísseis em 2016, com o objetivo de desenvolver um sistema de armas atômicas capaz de atingir o território continental dos Estados Unidos.

+ Trump elogia Temer por reformas e medidas para "fazer o Brasil crescer"

Os analistas estão divididos sobre a capacidade real da Coreia do Norte para se dotar de uma ogiva nuclear, mas todos concordam que o país tem obtido enormes progressos nesse sentido desde que Kim Jong-un sucedeu seu pai, Kim Jong-il, que morreu em dezembro de 2011.

Congresso americano toma posse nesta terça

A futuro presidente do Estados Unidos toma posse do cargo no próximo dia 20. Nesta terça-feira (3), no entanto, os novos integrantes da Câmara de representantes (Câmara dos Deputados) e do Senado dos Estados Unidos se reúnem para iniciar os trabalhos do 105º Congresso norte-americano. Desta vez, o Senado e a Câmara terão maioria republicana, o que não acontecia desde 2007. Trump, que também é republicano, terá o apoio do Congresso para governar o país. 

A imprensa norte-americana e analistas especulam sobre como vai se comportar a nova legislatura, uma vez que, durante os últimos quatro anos do presidente Barack Obama, o Senado – de maioria republicana – deixou de votar em temas polêmicos, como a reforma migratória, mudanças sobre controle de armas e até mesmo o embargo contra Cuba.

São esperadas revisões nas leis tributárias e retirada de restrições de leis de controle ambientais, porque o presidente eleito Donald Trump prometeu cortar impostos e rever medidas ambientais de controle de emissões de carbono, implementadas por Barack Obama.

+ Trump diabólico? Internauta descobre 'mensagem subliminar' em capa de revista

Com maioria absoluta, Donald Trump já sinalizou que vai tentar, logo no início do mandato, apressar a votação de medidas para incentivar a economia nacional, além de enviar algumas propostas de mudança na lei migratória.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.