Tamanho do texto

Presidente americano diz em entrevista que legalização 'não é uma panaceia' e analisa que atual situação da droga nos Estados Unidos é "insustentável"

Presidente americano, Barack Obama disse que atual jeito de encarar a maconha nos EUA é
Pete Souza/Official White House - 8.10.16
Presidente americano, Barack Obama disse que atual jeito de encarar a maconha nos EUA é "insustentável"

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em entrevista à revista "Rolling Stones", que a maconha deveria ser tratada como o álcool e o cigarro , ou seja, como assunto de saúde pública.

Em uma de suas últimas entrevistas como chefe de Estado norte-americano, Obama disse que é "insustentável" a situação atual da maconha em seu país, com alguns estados que a legalizaram apenas para fins terapêuticos, outros que a despenalizaram totalmente, também para fins recreativos, e outros que a continuam proibindo em qualquer situação.

"Eu sempre fui muito claro sobre a minha crença que nós devemos desencorajar o abuso de substâncias. E eu não sou uma pessoa que acredita que a legalização é uma panaceia. Mas eu acredito que tratar [a maconha] como um assunto de saúde pública, do mesmo modo como nós tratamos cigarros e álcool, é o jeito mais inteligente de lidar com isso", afirmou o presidente americano.

LEIA TAMBÉM:  De maconha à pena de morte: veja o que decidiram as consultas populares nos EUA

DEA

Obama, no entanto, disse que, mesmo que seja mais esperto pensar em maconha como tema de saúde pública, não será nada fácil fazer com que isso se torne realidade, explicando que o assunto não pode ser resolvido simplesmente com um "decreto presidencial".

"Tipicamente, o modo no qual essas classificações são mudadas não são através de decretos presidenciais, mas sim legislativamente ou através do DEA [agência antidrogas dos Estados Unidos]. Como você pode imaginar, o DEA, cujo trabalho é historicamente reforçar as leis relacionadas às drogas, nem sempre vai estar na frente sobre esse assunto, na vanguarda", explicou o mandatário na entrevista.

LEIA TAMBÉM:  Chimpanzé usa isqueiro e fuma um maço de cigarro por dia na Coreia do Norte

Em agosto deste ano, o DEA rejeitou uma série de petições para retirar a maconha de sua lista das drogas mais perigosas – que inclui substâncias como a heroína (responsável por matar milhares de americanos anualmente por overdose) e ecstasy.

Ao mesmo tempo, substâncias classificadas por especialistas como extremamente nocivas devido aos riscos de vício e overdose, como a cocaína e a metanfetamina, foram mantidas em uma categoria abaixo daquela em que a maconha está, sendo, assim, consideradas menos perigosas do que a erva.

*Com informações da Agência Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.