Cristina Kirchner diz ser alvo de perseguição e se compara a Lula

Ex-presidente da Argentina responde a processo judicial por suposto favorecimento em licitações; ela deixou o governo em dezembro de 2015
Foto: José Cruz/Agência Brasil - 16.7.2014
Ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner se disse vítima de ataques por parte do atual governo, de Mauricio Macri

Em audiência realizada nesta segunda-feira (31), a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner se comparou a Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que governou o Brasil entre 2003 e 2010. Ela foi interrogada pelo juiz federal Julián Ercolini em razão de um processo que responde por suposto favorecimento ao empresário Lázaro Baez em licitações públicas.

LEIA MAIS:  Do mensalão à Lava Jato: os dez anos da reeleição de Lula

Cristina , que foi presidente da Argentina entre 2007 e 2015, é acusada de ter recebido propina de Báez durante sua gestão. O empresário está preso por lavagem de dinheiro em um esquema que envolvia a simulação de aluguel de quartos de hotéis que não foram, de fato, utilizados por hóspedes.

A ex-presidente não respondeu às perguntas feitas pelo magistrado, estratégia que já havia sido previamente anunciada pela defesa. Ao término da audiência, ela falou com jornalistas e afirmou que o processo contra ela é um “disparate”.

“É um disparate maiúsculo achar que eu tive uma associação ilícita liderada pelo Executivo com diferentes funcionários públicos. É uma manobra formidável de perseguição política que não é original, que também acontece no Brasil e tem como foco o ex-presidente [Luiz Inácio] Lula da Silva. É uma manobra em nível regional", afirmou aos repórteres.

LEIA MAIS:  Como as eleições municipais desidrataram os partidos de esquerda

Além de se dizer vítima de ataques orquestrados, a ex-líder da Argentina acusou o atual presidente, Mauricio Macri, de ter promovido a aceleração da tramitação deste processo para encobrir o que ela chama de “desastre” que está acontecendo no país. "Os preços nos supermercados aumentam, os salários não sobem e não se convocam as paritárias [como são chamadas as negociações entre governo e sindicatos na Argentina]. É claro que o dinheiro não chega para alguns, mas sobra para outros", acrescentou.

Lula

Citado pela colega latino-americana, Lula é réu em três ações penais decorrentes das investigações da Operação Lava Jato, que apura um esquema de cartel e desvio de recursos da Petrobras. Para o PT, partido do ex-presidente, Lula é alvo de perseguição política e as acusações feitas pelo Ministério Público Federal (MPF) e aceitas pelo juiz Sérgio Moro são “descabidas e sem provas”.

Em outubro, apoiadores de Lula fizeram vigília em frente ao prédio onde o petista mora, em São Bernardo do Campo (SP)  para impedir uma eventual prisão do ex-presidente. A mobilização foi feita após circular na internet boato de que a detenção ocorreria na manhã do dia 17, o que acabou não se confirmando.

Sucessão

Cristina deixou o governo da Argentina em 2015, sendo substituída pelo empresário Mauricio Macri. Antes de ela assumir o mandato, a Casa Rosada era comandada pelo seu marido, Néstor Kirchner , falecido em 2010.


* Com informações da Ansa

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2016-10-31/cristina.html