Em protestos nas ruas, chavistas repetiram gritos como "Venezuela não é Brasil", fazendo alusão ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff

Manifestantes defendem ações de Maduro na fronteira com a Colômbia
Divulgação
Manifestantes defendem ações de Maduro na fronteira com a Colômbia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira (25), que o país não sofrerá um "golpe parlamentar". O comentário foi feito depois que a Assembleia Nacional aprovou a abertura de um julgamento sobre a responsabilidade política de Maduro .

"Não vamos permitir um golpe parlamentar na Venezuela", disse o mandatário que, no Palácio de Miraflores, sede do governo, acompanhado de milhares de chavistas, convocou uma reunião para esta quarta-feira (26) para falar da situação política do país.

Maduro também comentou que a Constituição do seu país outorga ao presidente "o poder de defender o direito à liberdade, à democracia e à vida do povo venezuelano".

LEIA TAMBÉM:  Câmara conclui votação da PEC dos Gastos Públicos e proposta segue para o Senado

Nas ruas, os chavistas repetiam gritos como "o povo o quer, dissolva a Assembleia" e "Venezuela não é Brasil", fazendo alusão ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em discurso, o presidente disse que o que está acontecendo na Assembleia "está se transformando em um espaço de maldade e de amargura" e que "nem [Barack] Obama, nem a direita e nem nenhum império poderão com a força do povo chavista bolivariano".

E MAIS:  Prazo para renovar contrato do Fies termina na próxima segunda-feira (31)

A decisão do parlamento - em uma agitada sessão - foi a de iniciar um julgamento político e legal contra Maduro por ruptura da ordem constitucional e abandono a suas funções. Além disso, o sucessor de Hugo Chavéz também foi acusado de promover um golpe de estado ao suspender o processo que convocava um referendo revogatório de seu mandato, que tem fim em 2019.

Com a abertura do julgamento, a Assembleia ordenou que o presidente venezuelano compareça à sessão da próxima terça-feira, dia 1º, o que deve ser recusado por Maduro que, como a Suprema Corte do país, considera o órgão "ilegítimo".

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.