Tamanho do texto

Acusações acontecem em momento delicado para o candidato, a menos de quatro semanas das eleições para a presidência dos Estados Unidos

O milionário e candidato republicano Donald Trump negou as acusações publicadas pela mídia norte-americana
Reprodução/ donaldjtrump.com
O milionário e candidato republicano Donald Trump negou as acusações publicadas pela mídia norte-americana

Quatro mulheres procuraram a imprensa norte-americana para acusar o  candidato do Partido Republicano a presidência dos Estados Unidos, Donald Trump , de assédio sexual. Em matérias publicadas nesta quinta-feira (13), as vítimas acusam o candidato de tê-las tocado e beijado sem o consentimento delas.

Os relatos se referem a acontecimentos ocorridos entre 11 e 30 anos atrás. Um dos depoimentos é o de Jessica Leeds, que hoje tem 74 anos. Ao jornal The New York Times, Jéssica afirma ter sido molestada em um voo para Nova York. Ainda na mesma publicação , o jornal conta o relato de Rachel Crooks, que afirma ter sofrido assédio do candidato quando trabalhava como secretária do edifício Trump, no centro de Nova York.

LEIA TAMBÉM:  Guerra nuclear é certa, caso Trump não seja eleito, diz parlamentar russo

Em mensagem publicada no Twitter, Donald Trump negou a versão das duas mulheres. "A história é falsa. Uma fabricação total", disse.

Uma das vítimas não precisou ir muito longe para atingir a mídia: a repórter Natasha Stoynoff escreveu, ela mesma, para a revista People um artigo em que relata que foi assediada durante o período em que cobria acontecimentos relacionados a Trump, há 12 anos.  Ela conta que uma vez chegou a ser  empurrada contra a parede e forçada a beijar o empresário.

Essa história também foi negada por Donald Trump no Twitter, que chegou a indagar por que ela não escreveu sobre o assunto há 12 anos, quando trabalhava para a revista. Em uma auto-resposta, ele completa: "porque não aconteceu".

O jornal Palm Beach Post  publicou o relato de Mind McGillivray , hoje com 36 anos, que também afirma ter sido "acariciada por Trump", sem ter dado consentimento para isso. Segundo ela, o assédio foi há 13 anos, quando estava em Mar-a-Lago, em Palm Beach, na Flórida, enquanto auxiliava um colega em um trabalho de fotografia.

Trump terá que gastar um tempo precioso para dar respostas convincentes para as acusações
Reprodução/Facebook
Trump terá que gastar um tempo precioso para dar respostas convincentes para as acusações

As acusações feitas pelas mulheres acontecem a menos de quatro semanas das eleições para a presidência dos Estados Unidos. Em um momento delicado da campanha, quando começa a perder pontos em pesquisas sobre a intenção de votos de eleitores norte-americanos, Trump terá que gastar um tempo precioso para dar respostas convincentes para as acusações.

Gravação machista

Na sexta-feira passada (7), o jornal The Washington Post  publicou a gravação de um diálogo do candidato republicano com um apresentador de televisão, datado de 2005. O vídeo mostra o candidato usando expressões vulgares para se referir às mulheres.

A gravação gerou protesto contra o candidato de setores do próprio Partido Republicano. Por causa do vídeo, 40 políticos republicanos do Senado e da Câmara de Representantes afirmaram que deixaram de apoiar Trump para a presidência dos Estados Unidos. Trinta desses políticos sugeriam que o candidato ceda o lugar para outro.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.