Operações financeiras ilegais praticadas pela ex-presidente teriam causado um prejuízo equivalente a R$ 17 bilhões

Nos últimos dois meses, a polícia realizou dois mandados de busca em imóveis da ex-presidente
Reprodução/Twitter Daniel Scioli
Nos últimos dois meses, a polícia realizou dois mandados de busca em imóveis da ex-presidente




Investigada em um esquema de venda de dólares em mercados futuros a preços abaixos da média, a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner teve seus bens confiscados pelo juíz federal argentino Claudio Bonadio, segundo informações do jornal argentino "Clarín". 

Em resposta à decisão de Bonadio, Cristina declarou que se sente injustiçada. "A verdade é que hoje ficou aparente a perseguição por parte de um setor judicial", declarou ao sair dos tribunais na tarde desta quarta-feira (6).

Cristina Kirchner havia sido convocada para depor nesta quarta-feira (6) sobre uma sequência de operações financeiras ilegais que teriam causado um prejuízo ao equivalente de R$17 bilhões aos cofres públicos do país. 

Em entrevista a um canal de televisão argentino no último domingo (3), a ex-presidente lamentou as acusações e se disse vítima de uma perseguição judicial por razões políticas. 

Cristina também é investigada em um caso de lavagem de dinheiro envolvendo o empreiteiro Lázaro Baez, que está preso há dois meses. O empresário virou réu após ter enriquecido durante os governos de Cristina Kirchner e de seu marido, Néstor Kirchner, que foi presidente antes dela. 

Nos últimos dois meses, a polícia realizou dois mandados de busca e apreensão em imóveis da ex-presidente.

*Com informações da Agência Brasil e Clarín

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.