Maduro acusa EUA e Europa de estarem por trás de "golpe de Estado" no Brasil

Para o líder venezuelano, a campanha contra seu governo faz parte de um mesmo plano comandado pelos Estados Unidos
Foto: Roberto Stuckert/ PR
Na semana passada, Maduro decretou Estado de Emergência para fazer frente a suposto golpe

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta terça-feira (17) em entrevista à imprensa local e internacional transmitida pela rede de TV Telesur, que o afastamento da presidente Dilma Rousseff é um "golpe de Estado no Brasil". Para o líder venezuelano, a "campanha midiática e política" contra seu governo fazem parte de um mesmo plano imperialista capitaneado pelos Estados Unidos e "pelos núcleos de capital que governam a União Europeia".

"Como elites colonizadoras, eles têm complexo de superioridade. É a geopolítica do império de reconquista da América Latina e do Caribe. Onde eles não podem governar, dividem, criam o caos. Conseguiram a suspensão da presidente Dilma Rousseff de maneira injusta e desproporcional. Os elementos de que a acusaram não se sustentam. Nós estamos observando e denunciando essa campanha, que tem vários epicentros, e um deles é Madri, as oligarquias da Espanha", afirmou. A imprensa brasileira no Rio foi convidada a acompanhar a entrevista, dada em Caracas, no consulado venezuelano na cidade.

Foto: Cris Castelo Branco/Governo do Estado de SP
Diante da críticas do ministro José Serra, Maduro chamou seu embaixador no Brasil para 'consulta'

Na semana passada, Maduro declarou estado de emergência no país para fazer frente a um suposto golpe de Estado que ele alega que estaria sendo planejado no exterior. Também na semana passada, diante do impeachment de Dilma e da crítica do Ministério das Relações Exteriores - já sob a gestão de José Serra - a seu posicionamento sobre o afastamento da presidente brasileira, Maduro pediu ao embaixador do país no Brasil, Alberto Castellar, que regressasse a Caracas.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2016-05-17/maduro-acusa-eua-e-europa-de-estarem-por-tras-de-golpe-de-estado-no-brasil.html