Sequestro ocorre em meio ao avanço de grupos de oposição ao governo al-Assad em áreas controladas pelo grupo jihadista

Estadão Conteúdo

Trabalhadores sequestrados são de indústria de cimento em Dumeir, próximo à capital do país
Reprodução
Trabalhadores sequestrados são de indústria de cimento em Dumeir, próximo à capital do país

Militantes do grupo extremista Estado Islâmico capturaram cerca de 300 trabalhadores de uma indústria de cimento em uma área próxima à Capital, Damasco, afirmou hoje a TV estatal do país.

O sequestro em massa aconteceu nas instalações da empresa de cimento Al-Badia, em Dumeir, uma área onde militantes extremistas lançaram um ataque surpresa contra forças do governo no início da semana. De acordo com a agência de notícias estatal SANA, um dirigente da companhia disse que não houve sucesso em contactar nenhum dos trabalhadores desaparecidos.

O caso vem à tona em meio a um recrudescimento do conflito no norte da Síria. Grupos de oposição ao presidente Bashar Assad avançaram sobre postos importantes do Estado Islâmico, incluindo a cidade de Al-Rai, no noroeste de Aleppo, perto da fronteira com a Turquia.

Em Genebra, o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, afirmou que a próxima rodada de negociações de paz deve começar na semana que vem. Segundo ele, as conversas podem levar a um "início concreto de transição política."

De Mistura deve fazer uma turnê pela Síria e por países do Oriente Médio em busca de apoio para a transição política no país, que entra no seus sexto ano de guerra civil.

(Fonte: Associated Press)

Veja fotos dos treinamentos e ações do grupo Estado Islâmico:


    Leia tudo sobre: Estado Islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.