Número 2 do Estado Islâmico morre em bombardeio na Síria

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Haji Iman era considerado o grande sucessor de Omar al-Baghdadi, líder do principal grupo terrorista da atualidade

Haji Iman: sua morte foi classificada como um duro golpe contra os extremistas do grupo
Reuters/Reprodução
Haji Iman: sua morte foi classificada como um duro golpe contra os extremistas do grupo

A coalizão internacional que bombardeia a Síria e o Iraque matou um dos líderes do Estado Islâmico em uma operação realizada nesta semana na Síria, divulgaram nesta sexta-feira (25) jornais norte-americanos. 

A imprensa local, que antecipou o anúncio oficial do secretário de Defesa dos EUA, Ashton Carter, informou que o alvo foi o número dois do grupo terrorista, identificado como Haji Iman, mas cujo norme verdadeiro seria Abd ar-Rahman Mustafa al-Qaduli.

Ele era considerado o sucessor do líder do EI, Omar al-Baghdadi. Além de al-Qaduli, Carter também confirmou a morte do "ministro da guerra" do EI, Tarkhan Batirashvili, conhecido como Omar al-Shishani ou "Omar, o checheno". O Observatório para os Direitos Humanos na Síria tinha informado que ele ficara gravemente ferido em um ataque aéreo no início de março, mas fontes norte-americanas garantem que o jihadista morreu.

"Atacar os líderes é necessário, mas está longe de ser suficiente", disse Carter em uma coletiva de imprensa. O secretário, porém, ressaltou que os ataques da coalizão são "um golpe duro" ao grupo extremista. Desde meados de 2014, os Estados Unidos lideram uma coalizão internacional que realiza operações militares na Síria e no Iraque a fim de combater o avanço do EI, que estabeleceu um califado sunita na região.

Leia tudo sobre: Estado IslâmicomorteEstados Unidoslíder

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas