"Escapei por pouco de estar entre as vítimas", diz espanhola em Bruxelas

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Série de explosões atingiu o aeroporto e o metrô da capital belga, deixando mais de 30 mortos e dezenas de feridos

BBC

Espanhola Beatriz Peón conta que perdeu o metrô e foi alvo de atentado em Bruxelas, na Bélgica
Arquivo Pessoal/Beatriz Peón
Espanhola Beatriz Peón conta que perdeu o metrô e foi alvo de atentado em Bruxelas, na Bélgica


A espanhola Beatriz Péon, de 25 anos, escapou por pouco de estar entre as vítimas do atentado contra o metrô de Bruxelas, na manhã desta terça-feira (22), que matou pelo menos 20 pessoas.

Uma série de explosões atingiu o aeroporto e o metrô da capital belga, deixando mais de 30 mortos e dezenas de feridos. O ataque ocorreu quatro dias depois da prisão de Salah Abdeslam, principal suspeito pelos ataques de Paris em novembro. Abdeslam foi preso em Bruxelas.

Em entrevista à BBC Brasil, ela conta que estava a caminho do trabalho quando perdeu o trem que, minutos depois, viria a ser alvo do ataque. Beatriz decidiu embarcar no seguinte.

"O trem parou no túnel. Anunciaram no alto-falante que tinha havido um acidente na linha. Ficamos parados por quase dez minutos. As pessoas começaram a ficar nervosas e outras começaram a chorar", lembra ela.

"A condutora do trem atravessou todos os vagões até chegar ao último, onde eu estava, e tentou abrir a porta. Quando viram o que estavam acontecendo, todos os passageiros começaram a correr até o último vagão e conseguiram abrir a porta. Todo mundo começou a sair. Tudo estava escuro e havia muita poeira. Andamos no meio dos trilhos", completa.

Leia abaixo o relato completo:

"Sou natural de Madri, na Espanha, e moro há três anos e meio em Bruxelas, na Bélgica. Estava a caminho do trabalho na manhã desta terça-feira quando duas coincidências enormes aconteceram comigo. Em primeiro lugar, perdi o trem que viria a ser alvo de um atentado minutos depois. Em segundo, decidi embarcar no último vagão do próximo trem.

Na metade do trajeto entre as estações Arts-Loi e Maelbeek (local do atentado), o metrô parou. Anunciaram no auto-falante em holandês, francês e inglês que havia ocorrido um incidente na linha e que estavam trabalhando para solucioná-lo o mais rápido possível.

Ficamos parados por quase dez minutos. Os passageiros estavam grudados nos celulares, e, depois de alguns minutos, começaram a ficar muito nervosos enquanto outros começaram a chorar.

A condutora do trem atravessou os vagões até chegar ao último, onde eu estava, e começou a tentar abrir a porta. Quando se deram conta disso, os passageiros dos outros vagões começaram a correr em direção aonde eu estava. Conseguiram abrir a porta e todo mundo começou a sair. Os passageiros que vinham em direção ao último vagão começaram a se empurrar e a pular por cima dos assentos.

Uma mulher mais velha estava tendo o que parecia ser um ataque de ansiedade, enquanto outros gritavam para que parassem de empurrar e fossem civilizados.

Percebi que precisava sair. Tudo estava escuro e havia muita fumaça e poeira. Alguns passageiros haviam permanecido dentro do trem para ajudar a gente a sair do vagão em direção aos trilhos.

Vi um idoso pulando para fora do vagão. Ele quase caiu no chão. Os voluntários – árabes, na maioria – tentavam tirar as pessoas do trem. Começamos a caminhar pelos trilhos de volta à estação de Arts-Loi. Ouvi barulhos muito fortes em cima da minha cabeça. Me assustei ao pensar que poderiam estar ocorrendo explosões na estação de Arts-Loi.

Soldados fazem a segurança em estação de  metrô na região central de Bruxelas, na Bélgica
Reuters - 22.3.16
Soldados fazem a segurança em estação de metrô na região central de Bruxelas, na Bélgica


Havia funcionários do metrô caminhando conosco com lanternas e alto-falantes, pedindo que caminhássemos pelo centro dos trilhos. Ao chegar à estação de Arts-Loi, tudo estava deserto. Escutei pelo sistema de som que a estação estava fechada por ordem policial.

Subi as escadas e encontrei um policial cercado por dez a quinze passageiros que haviam chegado antes de mim. O policial explicava que havia ocorrido uma explosão, mas não disse onde, e que a estação onde estávamos estava segura.

Perguntei a ele se eu podia sair e ele disse que não, que não era seguro e teríamos de permanecer ali dentro. Poucos minutos depois, um soldado desceu correndo as escadas do lado oposto da estação gritando para que todo mundo saísse. Eu e o resto das pessoas saímos correndo pelas escadas pelas quais o soldado havia descido.

Os arredores da estação estavam bloqueados com cordão de isolamento. Saí correndo e passei pela estação de Maelbeek (onde houve a explosão) e vi polícia, um carro de bombeiros e muita fumaça e poeira. Fiquei feliz de não ter visto ambulâncias porque me fez pensar que não houve feridos, mas apenas danos materiais.

Finalmente cheguei ao trabalho, onde duas colegas estavam chorando e correram para me abraçar quando entrei. Então, me dei conta do que havia acontecido e caí em prantos."

Leia tudo sobre: bbcmundobélgicabruxelasatentatadoterrorismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas