Primeiro-ministro belga desabafou que "o que nós temíamos ocorreu" e que autoridades estão em alerta para novos ataques

Estadão Conteúdo

As explosões no aeroporto de Zaventem ocorreram próximas ao balcão da American Airlines
Francois Lenoir/Reuters
As explosões no aeroporto de Zaventem ocorreram próximas ao balcão da American Airlines

O promotor federal da Bélgica, Frederic Van Leeuw, qualificou as três explosões ocorridas na manhã desta terça-feira (22) em Bruxelas como "ataques terroristas". Duas das explosões atingiram o aeroporto de Zavantem, em Bruxelas, e a terceira atingiu a estação de metrô de Maelbeek, também na capital belga. Ao menos 34 pessoas morreram e 170 ficaram feridas.

Segundo autoridades, houve mortes nos dois locais. De acordo com Van Leeuw, "um ataque foi provavelmente cometido por um suicida".

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, disse que "o que nós temíamos aconteceu" e que as autoridades estão em alerta para o risco de mais ataques. Michel disse apenas que há "muitos mortos e muitos feridos", sem citar números exatos. Segundo ele, os controles fronteiriços estão sendo reforçados no país. "Nós percebemos que enfrentamos um momento trágico. Temos de ficar calmos e mostrar solidariedade", defendeu o premiê.

O escritório da promotoria em Bruxelas recomendou que as pessoas ficassem em suas casas, até que a situação se acalmasse.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse que seu país fará "tudo que podemos para ajudar". O ministro da Justiça da Alemanha, Heiko Mass, disse que "hoje é um dia negro para a Europa", após os ataques.

Os ataques ocorreram dias após a prisão de Salah Abdeslam, um dos principais suspeitos pelos ataques ocorridos no fim do ano passado em Paris. Abdeslam disse a autoridades que havia criado uma nova rede terrorista e que planejava mais atentados.

Veja imagens dos atentados terroristas ao aeroporto e metrô de Bruxelas:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.