Extremista norueguês que matou 77 pessoas faz saudação nazista em tribunal

Por Ansa |

compartilhe

Tamanho do texto

Assassino que cometeu chacina na Noruega em 2011, Anders Breivik reclama de "tratamento desumano" em cela de prisão

Condenado a 21 anos de prisão, norueguês Anders Breivik faz gesto nazista em corte de tribunal
Reprodução/Youtube/The Telegraph
Condenado a 21 anos de prisão, norueguês Anders Breivik faz gesto nazista em corte de tribunal

O norueguês Anders Behring Breivik, condenado a 21 anos de prisão por ter matado 77 pessoas em 2011, fez uma saudação nazista ao chegar a um tribunal que avaliará sua denúncia de "tratamento desumano" na prisão nesta terça-feira (15).

Por razões de segurança, a análise de sua acusação pelos juízes está sendo realizada em um estado esportivo dentro do presídio em que cumpre pena. Essa foi a primeira vez desde sua condenação, em 2012, que ele reapareceu em público.

O extremista foi preso em julho de 2011 após ter explodido um bomba próximo a um edifício público de Oslo, matando oito pessoas. De lá, ele se dirigiu de barco até a ilha de Utoya, onde ocorria um encontro de jovens do Partido Trabalhista, e matou 69 pessoas à queima-roupa.

Agora, o norueguês abriu o processo contra o Estado por dizer que sua cela e seu atual confinamento solitário quebram regras da Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Ele questiona ainda o porque de usar "excessivamente" algemas e reclama que não pode entrar em contato com seus familiares - apenas sua mãe está liberada para visitas através de um vidro.

Breivik é o único detido na prisão de segurança máxima de Skien, que fica a 100 quilômetros da capital Oslo. Lá, ele dispõe de um cela com sala de estudos e equipamentos eletrônicos sem acesso à internet, como televisão, videogame e computador. O norueguês também tem autorização para praticar exercícios na academia de ginástica do local e pode tomar banho de sol por uma hora.

A Procuradoria da Noruega argumenta que as restrições de comunicação com o mundo externo estão dentro das normas e que são necessárias dada a periculosidade do membro da extrema-direita. Segundo o órgão, "tudo está dentro dos limites permitidos pela lei".

Caso a Justiça dê razão à Breivik, parte de suas solicitações serão atendidas. O resultado do julgamento deve ser divulgado até sexta-feira (18) e o depoimento do assassino será realizado amanhã (16).

Em uma carta enviada às autoridades judiciárias, o criminoso reclamou ainda que seu café "era sempre servido frio", que nunca tinha "manteiga suficiente" para seus pães e que sua cela "não tem uma vista para fora" do presídio.

A pena imputada à Breivik é a mais severa pela legislação norueguesa e pode ser renovada por várias vezes, tornando-a, na prática, uma pena de prisão perpétua. 

Leia tudo sobre: anders breiviknorueganazistachacinaextremista

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas