Tamanho do texto

Em cúpula com países do bloco, presidente Recep Erdogan enfatiza que seu país salvou "quase 100 mil refugiados"

Presidente Recep Tayyip Erdogan lembrou que seu país
Presidência da República da Turquia/Fotos Públicas
Presidente Recep Tayyip Erdogan lembrou que seu país "salvou quase 100 mil refugiados"


Durante a cúpula extraordinária entre a Turquia e os membros da União Europeia (UE), em Bruxelas, sobre a questão da crise imigratória, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, lembrou que seu país "salvou quase 100 mil refugiados" e que espera receber os US$ 3 bilhões (cerca de R$ 12,5 bilhões) "prometidos quatro meses atrás".

Erdogan ainda disse esperar deixar Bruxelas com os fundos prometidos, acusando, mais uma vez, os países ocidentais de indiferença "com as mulheres e crianças morrendo no mar", as "vítimas do massacre de Bashar al-Assad [na Síria]" e os árabes e "nossos irmãos, que estão sendo bombardeados pelos russos".

Além do aumento de financiamento, Ancara pede um acesso mais rápido aos vistos previstos no Tratado de Schengen, que permite a livre circulação pelo bloco, para os cidadãos turcos e a aceleração no seu pedido de adesão à UE.

Fontes do Conselho Europeu disseram ao jornal "Financial Times" que o premier turco, Ahmet Davutoglu, mudou as propostas da cúpula durante um almoço informal.
Davutoglu expressou novas ideias, que vão além dos acordos feitos com o presidente do organismo, Donald Tusk, em reunião realizada na última quinta-feira (3). Isso implicaria em uma "mudança de programa" hoje.

Áustria

O chanceler austríaco, Werner Faymann, disse nesta segunda-feira (7) que seu país "vai fechar todas as rotas de imigração, inclusive a dos Bálcãs". "Os responsáveis pelo tráfico humano não devem ter nenhuma oportunidade", acrescentou, ao chegar em Bruxelas para a reunião

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.