Imagens de circuitos de segurança mostram que, em nenhum momento, o homem ameaçou agir contra as forças policiais

Mais um caso de policiais matando um homem negro nos Estados Unidos está provocando uma série de protestos no país. Dessa vez, o caso ocorreu em Lynwood, Los Angeles, quando pessoas telefonaram para a delegacia local relatando que um homem estava dando tiros para o ar.

Ao chegarem no local, por volta das 11 (hora local) do último sábado (12), os policiais se depararam com Nicholas Robertson, 28 anos, que estava próximo a um posto de gasolina. Ao mandarem ele largar a arma, Robertson não obedeceu e virou de costas para as forças de segurança. Por não cumprir a ordem, os policiais abriram fogo e dispararam por 33 vezes.

O vídeo tem imagens fortes:

Imagens de circuitos de segurança mostram que, em nenhum momento, o homem ameaçou agir contra as forças de ordem ou contra alguma pessoa que estava no local.

Os vídeos ainda mostraram que, mesmo de joelhos, ele continuou sendo alvo dos tiros.
Familiares criticaram a ação dos policiais ao lembrarem que, mesmo sem atacar, as forças de segurança não pararam de atirar contra ele e o mataram. "Quando eles atiraram com meu filho de joelhos e viram ele cair, isso é injustiça para mim", disse a madrasta do jovem, Pamela Brown à emissora "KTLA".

Policiais de Los Angeles atiram 33 vezes contra homem negro
Reprodução
Policiais de Los Angeles atiram 33 vezes contra homem negro

A ação também provocou uma manifestação na localidade, que é formada por hispânicos e negros, e causou a revolta em todas as áreas vizinhas. A Procuradoria de Los Angeles informou que abriu uma investigação por uso excessivo de força policial na abordagem e na morte de Robertson.

Esse é o enésimo caso em que policiais brancos matam jovens negros que, mesmo que estejam cometendo algum pequeno delito, são alvejados por diversos tiros. Em todos, câmeras de segurança mostraram o excessivo uso da força policial e alguns dos acusados chegaram a ser presos ou exonerados de seus cargos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.