Mulher acusada de bruxaria é mutilada até a morte em vila da Papua-Nova Guiné

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em janeiro, vítima havia sido salva da morte após ser acusada de usar magia para matar grupo por meio de surto de sarampo

Autoridades da Papua-Nova Guiné tiveram de intervir em um vilarejo para impedir que mais mulheres fossem mutiladas até a morte acusadas de bruxaria. As informações são do site The Independent.

Dia 6: Linchamento de afegã acusada de queimar o Corão leva quatro homens à forca

A mulher, conhecida como Misila, foi acusada de magia negra e morta em uma parte remota do país por membros de sua própria comunidade na semana passada. A Anistia Internacional pediu que as autoridades do país ofereçam mais proteção às outras duas mulheres acusadas de feitiçaria.

Kate Schuetze, da Anistia Internacional para o Pacífico, afirmou que "O assassinato de Misila destaca o fracasso do governo de Papua-Nova Guiné em enfrentar a onda de ataques contra os acusados de bruxaria. O governo deve agir imediatamente para garantir que os autores dos ataques sejam levados à justiça."

Veja fotos de outras mortes chocantes pelo mundo

Nigéria: em 2012, estudantes da Universidade de Port Harcourt foram espancados e queimados vivos ao cobrarem dívida. Foto: Reprodução/YoutubeNigéria: investigação mostrou que devedor espalhou boato falso de que o grupo estaria em vilarejo para roubar. Foto: Reprodução/YoutubeFrança: em junho, o romeno Darius foi espancado e deixado em carrinho de mercado após grupo suspeitar que ele estaria roubando. Foto: Reprodução/latestnewslink.comPeru: em 2004, Cirilo Fernando Robles Cayomamani, então prefeito da cidade de  Ilave, foi linchado, acusado de corrupção. Foto: Reprodução/YoutubeGuatemala: segundo escritório de direitos humanos do país, 47 morreram vítimas do crime em 2013 e ao menos 441 foram feridos. Foto: Reprodução/YoutubeGuatemala: 'Pedimos às pessoas não se deixarem levar por rumores', disse Mildred Luna, coordenadora de Comissão jurídica. Foto: Reprodução/YoutubeQuênia: interesse em terrenos na costa do Índico causou o aumento do crime em 2012 por parentes interessados nos patrimônios de idosos. Foto: Reprodução/YoutubeQuênia: idosos entre 70 e 90 anos foram queimados vivos sob acusação de bruxaria, quando na verdade eram vítimas de crime por herança. Foto: Reprodução/YoutubeArgentina: em abril, casos de violência como o linchamento levaram o governador de Buenos Aires a decretar estado de emergência. Foto: Reprodução/YoutubeArgentina: estudo publicado pelo 'Clarín' à época mostou que 8 entre 10 argentinos achavam que a insegurança havia aumentado no país. Foto: Reprodução/YoutubeBolívia: em 2004, Benjamín Altamirano, prefeito de Ayo Ayo, foi linchado com golpes de pau e pedras após ter sido preso a tronco de árvore. Foto: Reprodução/YoutubeBolívia: o povo havia se rebelado contra a autoridade após acusações de o prefeito ter cometido atos de corrupção. Foto: Reprodução/YoutubeEgito: em 2013, linchamento de dois jovens, acusados de tentativa de roubo e sequestro, provocou indignação internacional. Foto: Reprodução/YoutubeEgito: à época, muitos justificaram o ataque dizendo que o linchamento era a única forma de punir criminosos. Foto: Reprodução/YoutubeBrasil: acusada de ter sequestrado criança para rituais de magia negra, Fabiane Maria de Jesus foi linchada no Guarujá em maio. Foto: Reprodução/YoutubeBrasil: para pesquisadora do NEV-USP Ariadne Natal, casos não acontecem aleatoriamente e atingem os mais pobres. Foto: Reprodução/YoutubeHaiti: segundo a ONU, o número de casos aumentou de 90 para 121 entre os anos de 2009 e 2012 em todo o país. Foto: Reprodução/Youtube

"O fato de duas outras mulheres terem escapado da morte na semana passada não diminui o risco iminente e mostra que o governo deve agir agora."

Kate disse que para oferecer proteção a essas mulheres, a polícia precisa viajar para as comunidades remotas a fim de iniciar investigação sobre o caso. Em janeiro, Misila foi uma das quatro mulheres que foram salvas da morte pela polícia e pelos missionários. Ela foi acusada de feitiçaria depois de várias pessoas morreram vítimas de um surto de sarampo na província de Enga.

"A senhora, ela foi acusada de executar a mágica que resultou na morte de várias pessoas na aldeia. Com esta mentira, apenas por causa da forte crença [em feitiçaria] por lá, ela foi assassinada", explicou Kate.

O artigo sobre feitiçaria de 1971, que reduzia sentenças para aqueles que cometeram agressão ou assassinato por acreditarem que a vítima tinha cometido atos de feitiçaria, foi revogada pelo governo em 2013.

Leia tudo sobre: papa nova guineanistia internacionalnili

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas