Legalização do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo no país europeu recebeu 62,1% dos votos na consulta popular

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, afirmou nesta terça-feira (26) que ficou "muito triste" com a aprovação do casamento gay na Irlanda por meio de um plebiscito realizado na última sexta-feira (22).

Segundo o religioso, a Igreja Católica deve "ter consciência dessa realidade", buscando reforçar o seu empenho na evangelização. "Acho que não podemos falar apenas de uma derrota dos princípios cristãos, mas também de uma derrota da humanidade", declarou Parolin.

Leia mais:

Jovens católicos e Igreja têm visões opostas sobre união gay e aborto, diz Ibope

A legalização do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo no país europeu recebeu 62,1% dos votos na consulta popular. Com isso, a Irlanda se tornou a primeira nação do mundo a aprovar a união entre homossexuais via plebiscito.

"A família continua sendo central e devemos fazer de tudo para defendê-la e promovê-la. O futuro da humanidade e da Igreja, ainda mais frente a certos acontecimentos que ocorreram nos últimos dias, continua sendo a família. Atingi-la é a mesma coisa que tirar a base do edifício do futuro", acrescentou o secretário.

Atualmente, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é aceito em mais de 20 países, sendo 13 deles na Europa. 

Lembre os ícones gays na música

Embaixador

Parolin também comentou a polêmica envolvendo o candidato a embaixador da França na Santa Sé, Laurent Stefanini, que teria tido suas credenciais recusadas pelo fato de ser gay. De acordo com o cardeal, o diálogo com Paris "permanece aberto".

"Esperamos que isso possa ser concluído de maneira positiva", afirmou, sem dar mais detalhes. Stefanini foi indicado pelo presidente François Hollande em janeiro passado, mas até agora não foi aceito pelo Vaticano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.