Vaticano minimiza fala de presidente chinês sobre religião no país

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

"Penso, e espero, que as declarações não queiram impedir o diálogo com a Santa Sé", disse porta-voz do Vaticano

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, afirmou neste sábado (23) que as recentes declarações do presidente chinês, Xi Jinping, sobre religião e Estado "não fecham as portas para o diálogo" com a Igreja Católica.

"Penso, e espero, que as declarações não queiram impedir o diálogo com a Santa Sé", disse Lombardi à ANSA. "Estamos de acordo que ser um bom católico, em comunhão com o Papa, não vai contra a lealdade do cidadão".

Na última quarta-feira (20), Xi disse que as religiões na China deveriam ser independentes das influências estrangeiras, adaptadas à sociedade local e leais ao Estado.

Pequim acredita que os países contrários ao regime podem se infiltrar na sociedade através das religiões, não respeitando as regras do Partido Comunista.

A declaração foi dada em um momento em que a Igreja Católica tenta uma reaproximação e uma normalização das relações diplomáticas com o país.

Leia tudo sobre: mundovaticanoreligiãochinaxipapa francisco

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas