Campanha em vídeo sugere que mulher se jogue na frente de carro para abortar

Por Amanda Campos - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

ONG do Chile criou tutorial na web para criticar legislação; no país, procedimento é proibido até em casos de violência sexual

"Aproveite um dia para sair de casa. Faça compras em lugares onde lhe conheçam e pare em uma esquina movimentada. Você vai observar se ali os carros costumam passar no sinal amarelo. Os que passam aumentam a velocidade para não parar no vermelho. Então você espera, e quando pintar o amarelo, observe qual carro acelera. Depois, certifique-se de estar com a barriga virada para o veículo. E atravesse."

Janeiro: Presidente chilena propõe fim de proibição total do aborto

Jovem explica como realizar um aborto supostamente acidental em sua do Chile
Reprodução/Youtube
Jovem explica como realizar um aborto supostamente acidental em sua do Chile

As instruções postadas em forma de tutorial no YouTube parecem ensinar como fazer um aborto sem correr o risco de ser penalizada pela lei chilena, uma das mais rígidas no combate ao procedimento no mundo. Mas é parte de uma campanha da ONG Miles para criticar essa rigidez e obrigar as autoridades a aprovarem medida que descriminalize a ação no país, como explica ao iG a diretora do grupo, Claudia Dides.  

2013: Chilena de 11 anos grávida do estuprador reacende debate sobre aborto

"Queremos mostrar como os direitos da mulher são deixados de lado no Chile, mesmo que ela seja vítima de violência sexual. As chilenas precisam ter o direito de decidir o que fazer com seu corpo, porque também são cidadãs", diz.

O Chile é um dos poucos países do mundo onde o aborto é criminalizado em todas as suas esferas, inclusive no caso de anomalias genéticas do feto. Em casos de anencefalia, por exemplo, a mulher é obrigada a manter a gravidez até a 27ª semana, quando é submetida a um parto induzido. "Esses dias uma mulher buscou a ONG porque estava grávida de um bebê anencéfalo e estava em dúvida sobre o que fazer, já que havia sido instruída a rezar e fazer exercícios", afirma.

Nem sempre foi assim. Até 1931, as chilenas eram amparadas pelo direito ao aborto terapêutico. Augusto Pinochet [1915-2006] mudou a Constituição seis meses antes do fim de seu regime militar [1973-1990]. Embora não existam dados claros sobre quantas mulheres se submetem ao aborto clandestino no Chile, estima-se que são realizados entre 70 mil e 140 mil interrupções de gravidez todos os anos. A lei não só proíbe como também persegue a realização da prática: somente em 2012, 221 chilenas cumpriam algum tipo de pena por abortar ou ajudar a realizar a prática.

Assista ao vídeo:

Para Bruna Angotti, coordenadora do núcleo de pesquisas do IBCCRIM, Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, esse tipo de campanha é fundamental para mudar a legislação e incentivar a discussão sobre os direitos femininos no Chile e em outros países da América Latina, como o Brasil.

2010: Mais de 70% dos brasileiros são contra legalização do aborto

"O Chile é um exemplo de como a igreja influencia nas decisões do Estado, mesmo que ele seja laico, e como os direitos femininos são negligenciados por causa disso", afirma.

"A internet hoje é uma rede de conhecimento muito importante e precisa ser explorado para campanhas desse tipo. Não é apenas a legislação que precisa mudar, mas também a mentalidade social."

Novas propostas legislativas

A presidente Michelle Bachelet cumpriu, no fim de janeiro, uma das reformas mais emblemáticas de seu programa de governo: enviou ao congresso o projeto de lei que discriminaliza o aborto terapêutico – quando há risco de morte da mãe, más-formações incompatíveis com a vida fora do útero ou violência sexual. Bruna Angotti comemora o avanço, mas não acredita que a possível aprovação da lei mudará, na prática, o acesso das chilenas ao procedimento.

"Mesmo com apoio expressivo de Bachelet no Legislativo e Executivo e uma possível aprovação dessa lei, duvido que todas terão acesso ao aborto. O médico pode se negar a realizar o procedimento e a sociedade continuará julgando a mulher que optar pela medida", argumenta.  

Veja os países mais perigosos para se nascer mulher:

Afeganistão: em 2011, Sahar Gul, então com 15 anos, foi espancada pela família do marido após rejeitar se prostituir. Foto: Reprodução/YoutubeAfeganistão: afegã com rosto marcado por ataque de ácido protesta contra execução pública de suposta adúltera (2012). Foto: AFPChina: por causa da política do filho único, Feng Jianmei foi obrigada a abortar aos 7 meses de gravidez em 2012. Foto: Reprodução/YoutubeEtiópia: até 85% da população feminina sofreu mutilação genital no país, diz OMS. Rito é prática em várias aldeias africanas. Foto: Reprodução/YoutubeArábia Saudita: em 2011, ano em que as mulheres conquistaram o direito ao voto, Shaima Ghassaniya foi chicoteada por dirigir. Foto: ReproduçãoNepal: prostituição infantil é um dos maiores problemas no país. Até 7 mil meninas entram no setor todos os anos. Foto: Reprodução/YoutubeSomália: mulheres passam dias na fila para se instalar em Dadaab, maior campo de refugiados do mundo. Foto: Getty ImagesÍndia: 24.206 casos de estupro foram registrados em 2011. Maioria das mulheres tem entre 18 e 30 anos. Em 94% dos casos, o agressor é alguém próximo. Foto: Getty ImagesÍndia: mulheres são vendidas, casam-se a partir dos 10 anos e sofrem violência doméstica. Casos de queimaduras e trabalho escravo são comuns. Foto: ReutersPaquistão: Mukhtar Mai foi condenada a estupro coletivo por anciãos de sua aldeia porque seu irmão se envolveu com mulher de outro clã. Foto: Getty ImagesPaquistão: Iram Ramzan (E.), 10 anos, foi espancada pela patroa (D) até a morte. Mais de 12 milhões de crianças trabalham no país. Foto: BBCCongo: congolesa não identificada foi estuprada por homens de milícia armada que ocuparam Livungi, onde ela morava. Estupros são arma de guerra no país. Foto: NYTCongo: no país cujo IDH é de apenas 0,239, há 115 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos e pelo menos 76% da população está subnutrida. Foto: Getty Images

Segundo dados do Ministério da Saúde, o aborto é a terceira causa de mortalidade materna no país. Todos os anos, o número de pacientes que dá entrada nos hospitais do Chile por consequência de um aborto clandestino é de ao menos 33 mil. 

América Latina

Entre os países da América Latina, Uruguai, Guiana, Porto Rico e Cuba são os únicos que permitem o aborto até a 12ª semana de gestação sem a necessidade de justificativa. 

Polêmica: China indeniza mulher forçada a abortar feto de sete meses

O Grupo Independente de Especialistas da Comissão de Informação e Prestação de Contas sobre a Saúde das Mulheres e das Crianças (CoIA) da Organizações das Nações Unidas (ONU) informou em 2013 que ocorrem 4,2 milhões de abortos por ano na América Latina, 92% deles feitos em condições inseguras.

No Brasil, estima-se que 215 mil mulheres são internadas todos os anos em consequência de complicações causadas por tentativas de aborto, segundo dados do CoIA. A legislação nacional permite o aborto somente em casos de violência sexual, comprovação de anencefalia ou quando a gravidez é de alto risco para a saúde da mulher. Em 2013, foram realizados 1.523 abortos desse tipo no País, de acordo com o Ministério da Saúde. 

No mesmo ano, a ONG Ações Afirmativas em Direitos e Saúde indicou, porém, que o total de abortos induzidos - legais ou ilegais - variou de 685.334 a 856.668.

"Aqui no Brasil, nas eleições presidenciais, a Dilma [Rousseff] se posicionou claramente a favor do aborto. Ao passar do tempo, porém, o discurso dela mudou. Porque essa causa não ganha eleição, nem aliado político. Nossos direitos estão sempre sendo jogados para escanteio quando essas coisas entram em jogo", pondera a coordenadora do núcleo de pesquisas do IBCCRIM. 

Leia tudo sobre: chileabortoaborto acidentalbrasiluruguaiclaudiamiles

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas