Traficada aos 11 anos, menina relata rotina como escrava sexual na Índia

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Jovem só foi resgatada aos 14; ela estudava em ONG liderada por brasileiro quando aconteceram terremotos em seu país

BBC

Vítima de tráfico sexual aos 11 anos, a nepalesa Emu Tamang* foi mantida trancada em um quarto por dez meses, sendo alimentada para crescer e parecer mais velha antes de ser oferecida a clientes. Na Índia, teve que se submeter à prostituição por mais de um ano até ser resgatada por uma ONG.

Após trauma de tráfico humano, Emu Tamang*, de 18 anos, enfrentou dois terremotos
Reprodução/BBC
Após trauma de tráfico humano, Emu Tamang*, de 18 anos, enfrentou dois terremotos

2014: Trio obriga menina de 13 anos a ser escrava sexual e dançarina em Miami

Hoje com 18 anos, ela vive há quatro em uma casa do projeto Meninas dos Olhos de Deus, liderado pelo brasileiro Silvio Aparecido da Silva, em Katmandu. O projeto, que abriga meninas e meninos vítimas de tráfico de pessoas ou em situação de risco, é ligado à ONG Missão Cristã Mundial.  

Recentemente, Tamang passou por outro revés: o Nepal foi atingido por dois terremotos de grande magnitude que destruíram seu vilarejo natal, onde ela tinha o sonho de trabalhar em uma escola.

Tamang perdeu um sobrinho de apenas um ano no terremoto, mas diz que é preciso superar a tragédia: "O passado já passou, quero ir em frente."

Leia abaixo trechos do depoimento dado por telefone, em inglês, de Katmandu, à BBC Brasil: 

Iraque: "Fui vendida como escrava sexual pelo Estado Islâmico", conta refém

"Sou de um distrito no Nepal, Nuwakot, em que há muito tráfico. Grande parte das meninas do meu vilarejo é traficada. Meu pai morreu quando eu tinha 7 anos e minha mãe se casou com outro homem, então eu morava com meu irmão. Não tinha pai na casa e, quando eu tinha 11 anos, pessoas do vilarejo tentaram casar comigo, mas eu não quis.

Os traficantes me procuraram dizendo que iam achar um bom trabalho para mim. Muitas 'irmãs' do vilarejo já haviam ido, e eles me perguntaram se eu queria ir para o mesmo lugar, se eu queria ser rica como elas. Muitas iam e voltavam com roupas e trazendo coisas para suas famílias.

Eu precisa do dinheiro para ajudar minha família, então eu concordei em ir. Me levaram para um lugar na Índia e foi muito difícil para mim. Me colocaram em um quarto por oito dias. Eles não me davam comida nem cobertores e eu tinha que dormir no chão. Depois me levaram para outro lugar, para as pessoas que me compraram.

Fui obrigada a ficar embaixo de uma cama, por oito dias. Eles só deixavam eu sair do quarto de manhã e de noite para ir ao banheiro. Depois, os donos me levaram para outro lugar, um prédio alto, com cinco andares, e me colocaram no primeiro andar. Me deixaram lá por dez meses. Eu não podia sair e nem olhar pela janela. Eles trancavam meu quarto por fora.

Afeganistão: em 2011, Sahar Gul, então com 15 anos, foi espancada pela família do marido após rejeitar se prostituir. Foto: Reprodução/YoutubeAfeganistão: afegã com rosto marcado por ataque de ácido protesta contra execução pública de suposta adúltera (2012). Foto: AFPChina: por causa da política do filho único, Feng Jianmei foi obrigada a abortar aos 7 meses de gravidez em 2012. Foto: Reprodução/YoutubeEtiópia: até 85% da população feminina sofreu mutilação genital no país, diz OMS. Rito é prática em várias aldeias africanas. Foto: Reprodução/YoutubeArábia Saudita: em 2011, ano em que as mulheres conquistaram o direito ao voto, Shaima Ghassaniya foi chicoteada por dirigir. Foto: ReproduçãoNepal: prostituição infantil é um dos maiores problemas no país. Até 7 mil meninas entram no setor todos os anos. Foto: Reprodução/YoutubeSomália: mulheres passam dias na fila para se instalar em Dadaab, maior campo de refugiados do mundo. Foto: Getty ImagesÍndia: 24.206 casos de estupro foram registrados em 2011. Maioria das mulheres tem entre 18 e 30 anos. Em 94% dos casos, o agressor é alguém próximo. Foto: Getty ImagesÍndia: mulheres são vendidas, casam-se a partir dos 10 anos e sofrem violência doméstica. Casos de queimaduras e trabalho escravo são comuns. Foto: ReutersPaquistão: Mukhtar Mai foi condenada a estupro coletivo por anciãos de sua aldeia porque seu irmão se envolveu com mulher de outro clã. Foto: Getty ImagesPaquistão: Iram Ramzan (E.), 10 anos, foi espancada pela patroa (D) até a morte. Mais de 12 milhões de crianças trabalham no país. Foto: BBCCongo: congolesa não identificada foi estuprada por homens de milícia armada que ocuparam Livungi, onde ela morava. Estupros são arma de guerra no país. Foto: NYTCongo: no país cujo IDH é de apenas 0,239, há 115 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos e pelo menos 76% da população está subnutrida. Foto: Getty Images

Uma pessoa dava comida para nós. Acho que misturavam algo na comida para que eu crescesse para o trabalho. Eu cresci. Em dez meses, parecia que eu tinha 17 anos. Mas eu tinha 11 anos e meio. Depois de dez meses, uma moça do meu vilarejo veio e me levou para um hotel. Lá tinha o gerente e umas meninas como eu. A tia que me levou disse para eu trocar de roupa e usar maquiagem. Ela falou: desce com as outras moças.

Tinha 6 ou 7 meninas e os clientes também vieram. O gerente falou para uma menina que já estava acostumada ensinar para a gente o trabalho. Eu tinha ficado menstruada um pouco antes e fiquei com muita vergonha.

Eles me levaram para o quarto com o cliente e eu não queria, mas tive que trabalhar lá. A tia disse que eles já estavam cuidando de mim havia dez meses, me dando comida, e que eu tinha que pagar por tudo que comi e o que ela cuidou. Então tive que aceitar ficar com o cliente.

O gerente nunca estava satisfeito. Tinha dias que a gente recebia dois clientes; tinha dias que recebia 10, 12. Mas ele sempre brigava. Fiquei quase um ano nesse lugar e nunca deixavam eu chegar perto do portão. Depois a gente aprendeu a língua do povo e nos levaram para outro lugar.

Levaram a gente escondido. Era sempre escondido. Diziam que eu não podia falar com a polícia, que estavam cuidando de mim e que assim que eu pagasse minha dívida eu ia poder voltar para o meu vilarejo. Mas, se a polícia me encontrasse, diziam que seria muito pior, que eles iam me prender e não iam me tratar bem. Depois de um ano e meio, fui resgatada por uma ONG internacional.

Era um dia de tarde, quase de noite, e um grupo de clientes estrangeiros chegou. Quando apareciam estrangeiros eles chamavam todo mundo, porque sabiam que eles davam mais dinheiro.

Eles falaram que não tinham gostado das meninas e, de repente, entrou um outro grupo e resgatou todo mundo. Veio a polícia, desfez tudo e levou a gente num carro.

Fui para um abrigo e começou um processo: procuraram minha família, precisam saber se estão envolvidos ou não, tivemos que reconhecer os envolvidos... foram 22 meses até voltar para o Nepal.

Na volta, fui morar na casa do projeto Meninas dos Olhos de Deus. Moro aqui há quatro anos. Comecei a estudar e tenho o sonho de ensinar as pessoas do meu vilarejo. Espero que a nova geração tenha acesso à educação e, assim, não seja traficada. Mas aí vieram os terremotos e destruíram tudo.

No primeiro, eu estava na igreja, que ficava no terceiro andar. Tudo começou a balançar, todo mundo saiu correndo. Peguei na mão das minhas amigas bem forte e oramos para que o terremoto parasse. E ele parou.

Mas eu perdi todos os meus sonhos. Meu vilarejo foi destruído, acabou. A escola em que meu pai trabalhava e que eu tinha o sonho de reabrir foi destruída, então não vou mais poder fazer isso. Meu sobrinho morreu. Ele tinha um ano e meio e estava em casa, dormindo, e a casa caiu em cima dele. Alguns dias penso: agora acabou tudo, acabou o mundo. O que vou fazer?

Tivemos que acampar na quadra da escola por precaução. Pouco depois que voltamos para casa, veio o segundo terremoto. Voltamos para a quadra da escola... Só nesta semana voltei para a minha casa. Mas o passado já passou. Não há nada que eu possa fazer. Agora, quero ir em frente."

*nome fictício

Leia tudo sobre: nepalindiaterremoto no nepal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas