Prostituta acusada de matar executivo do Google é condenada nos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades também vão investigar a morte do ex-namorado de Alix Tichelman que morreu em circunstâncias semelhantes

A prostituta Alix Catherine Tichelman acusada de matar um executivo do Google por overdose de heroína a bordo do iate em que se encontravam foi condenada a seis anos de prisão nos Estados Unidos. Alix Tichelman, 27 anos, fechou um acordo com a promotoria e declarou-se culpada.

Leia mais:

Prostitutas na Austrália postam selfies para mostrar outra face da profissão

Empresário recupera na Justiça R$ 72,5 mil gastos com prostituta

Prostituta declara-se culpada em morte de executivo do Google
Reprodução/Facebook
Prostituta declara-se culpada em morte de executivo do Google

Alix foi acusada de fornecer a droga ao executivo Forrest Timothy Hayes e abandoná-lo no iate sem procurar socorro, em novembro de 2013. A prostituta, de quem o executivo do Google era cliente regular, foi presa oito meses mais tarde.

Um vídeo de câmera de segurança no cais onde o iate estava atracado mostra Alix pegar seus pertences, passar por cima do corpo de Hayes e terminar de beber uma taça de vinho antes de deixar o local. 

Como admitiu ter fornecido a droga e alegou que a morte foi acidental, Alix Tichelman deve ter a pena reduzida de seis para três anos de prisão, além de descontar o período de quase um ano que já cumpriu na cadeia.

As autoridades também vão investigar a morte do ex-namorado Alix Tichelman que morreu em circunstâncias semelhantes em 2013.

Leia tudo sobre: Googleexecutivoprostituta

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas