Oposição 'branca' elege primeiro negro na África do Sul

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Maimane, nascido em Soweto, onde Mandela viveu nos tempos de militância política contra a segregação é formado em psicologia e teologia, fala seis línguas e trabalha como pastor

BBC

Mmusi Maimane, de 34 anos, é aposta da oposição sul-africana para avançar e romper com o passado de segregação racial da legenda, origem de seu partido
AP Photo/Michael Sheehan
Mmusi Maimane, de 34 anos, é aposta da oposição sul-africana para avançar e romper com o passado de segregação racial da legenda, origem de seu partido

A Aliança Democrática, principal partido de oposição na África do Sul, elegeu neste domingo (10) o primeiro líder negro de sua história. E a ascensão de Mmusi Maimane, de 34 anos, tem um simbolismo ainda maior pela ligação da legenda ao passado de segregação racial no país.

Embora tenha sido fundada em 2000, a AD se originou dos grupos políticos que em 1948 instituíram o apartheid na África do Sul, regime que foi oficialmente abolido em 1994, com a eleição de Nelson Mandela.

Desde então, o Congresso Nacional Africano (CNA) venceu todas as eleições sul-africanas, contando com os votos da maioria negra do país – 79% da população total.

E também com a percepção de que a AD representa os interesses da minoria branca. Na última eleição-geral, por exemplo, o CNA obteve 62% dos votos válidos, contra 22% da DA, apesar da impopularidade do presidente Jacob Zuma.

'Fantoche'

No mês passado, a líder da AD, Helen Zille, renunciou de forma inesperada. E deu entrevistas sugerindo que o partido precisava de um líder negro se quisesse realmente lutar mais seriamente contra o domínio do CNA.

Maimane, nascido em Soweto, bairro de Johannesburgo em que Mandela viveu nos tempos de militância política e armada contra a segregação, filiou-se à AD em 2009 e teve subida meteórica no partido. Formado em psicologia e teologia, ele fala seis línguas e ainda trabalha como pastor nos fins de semana. Por sinal, foi na igreja que conheceu a esposa, Natalie, que é branca – casamentos inter-raciais entre brancos e negros ainda são raros na África do Sul.

Embora críticos digam que Maimane carece de experiência política para enfrentar o CNA, ele ganhou notoriedade na África do Sul pelas acusações de corrupção ao presidente Zuma, em especial o escândalo em torno dos gastos de US$ 23 milhões em sua residência particular.

Jovem e carismático, ele já foi comparado ao presidente dos EUA, Barack Obama. E seu partido vai precisar desse prestígio para atrair votos. Maimane, porém, terá também de enfrentar o que já desponta como uma campanha de descrédito por parte do CNA. O político já foi chamado de "fantoche dos brancos" e um porta-voz do partido do governo disse que a Aliança Democrática está usando o novo líder para "esconder seu racismo".

No entanto, mesmo a votação expressiva no ano passado não esconde o desencanto do eleitorado com o CNA, sobretudo junto à população mais pobre.

Durante a convenção da AD em Port Elizabeth, durante o fim de semana, Maimane afirmou ser importante que o partido se concentre em políticas mais focadas no bem-estar geral do que em discussões raciais.

Seu primeiro grande teste nas urnas serão as eleições municipais do ano que vem, em que o partido quer tirar do controle CNA cidades icônicas da África do Sul, como Johannesburgo e Pretória.

Leia tudo sobre: África do SulsegregaçãoMaimanepolíticanegros

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas