Delator dos EUA diz que espionagem de massa foge ao controle democrático

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para Snowden, vigilância em massa é real e há espionagem industrial. Fatos fogem ao controle da Justiça e dos representantes eleitos democraticamente pelo povo

Informações vazadas Edward Snowden revelaram que empresas brasileiras e Dilma foram espionados pelos EUA
AFP
Informações vazadas Edward Snowden revelaram que empresas brasileiras e Dilma foram espionados pelos EUA

O recente escândalo que mostra a cooperação do serviço secreto alemão (BND) e da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos confirma que a espionagem de massa está fora do controle democrático. É o que afirma o ex-analista norte-americano Edward Snowden ao jornal alemão "Der Spiegel".

"Agora, todos os fatos estão sobre a mesa. A vigilância em massa é real e se faz espionagem industrial. E os serviços secretos trabalham fora da percepção e do controle dos representantes eleitos pelo povo e pela Justiça", afirmou Snowden.

Leia mais: Snowden recebe asilo temporário da Rússia e deixa aeroporto, diz advogado

EUA à Rússia: Snowden não enfrentará a pena de morte nem será torturado

Em 2013, o escândalo de espionagem feita pela agência norte-americana, a cidadãos e governos aliados, como o Brasil e Alemanha, entre dezenas de outros países, repercutiu a partir de revelações do ex-analista da CIA, Edward Snowden. Nos últimos dias, o caso tomou nova direção após divulgação de informações pela imprensa alemã, segundo a qual o BND teria ajudado a NSA ativamente na espionagem a aliados e empresas.

Para o ex-funcionário da NSA, que atualmente vive em Moscou sob proteção, o número de seletores, que são as chaves de buscas utilizadas pelo BND é "perturbador". Em julho, um funcionário do serviço secreto da Alemanha, o BND, foi demitido por suspeitas de que ele teria ajudado a NSA, dos EUA, a espionar empresas do país. Mais recentemente, o escândalo atingiu o governo de Merkel – que saberia do esquema de espionagem – algo que está sendo "avaliado" pelas autoridades.

"Alguns números podem ser atingidos só se for feita uma vigilância em massa", "fora de qualquer controle", relatou sobre o caso alemão.

Segundo Snowden, os analistas da NSA "podem inserir qualquer tipo de seletor sem passar primeiro por um processo de aprovação". Só na sequência, caso seja constatado algo, é feito o pedido. Sobre o "datagate" alemão: O ex-analista se referia ao caso investigado por uma comissão parlamentar da Alemanha, o chamado "datagate". Ela começou seu trabalho no início do ano passado após diversos jornais do país revelarem que a NSA fez uma espionagem contra o governo alemão e, especialmente, contra a chanceler Merkel.


Leia tudo sobre: espionagemEUAAlemanhaescândaloSnowden

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas