Investigadores têm certeza de que o ato foi planejado e não foi fruto de uma crise de depressão. Acidente matou 150

Um relatório do Escritório de Investigações e Análises para a Segurança da Aviação Civil da França (BEA) revelou que o copiloto da Germanwings Andreas Lubitz tentou derrubar o avião da empresa no voo de ida entre Dusseldorf (Alemanha) e Barcelona (Espanha).

Leia também: Piloto mandou copiloto abrir "maldita porta", revela gravação da caixa-preta

Copiloto da Germanwings prometia gesto para que todos lembrassem dele

Menos de 10% de deprimidos se suicidam, diz médico sobre caso de copiloto alemão

Segundo o jornal "Bild", a análise dos especialistas é "clara" em dizer que o alemão fez "uma descida controlada e não justificada" no mesmo dia da tragédia. Ele planejou que a aeronave descesse até 30 metros, a altura mínima, por cinco vezes, mas reprogramou o avião para o voo normal. Não está claro se o piloto estava no local. O tablóide não exclui que o ato tenha sido mais que um "teste", sendo uma tentativa de destruir o avião.

Com a revelação, os investigadores têm a certeza de que o ato foi planejado e não foi fruto de uma crise temporária de depressão. Lubitz derrubou o voo que ia de Barcelona a Dusseldorf no dia 24 de março, matando as 150 pessoas a bordo.

Dados mostrados pela caixa-preta apontam que o copiloto trancou o piloto fora da cabine de comando, causando desespero no mesmo. Após a tragédia, os investigadores descobriram que Lubitz fazia uso de medicação para controlar problemas psicológicos.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.