Francesa é impedida de assistir aula por usar saia "muito longa"

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Uma lei aprovada em 2004 proíbe a exibição de sinais religiosos nas escolas públicas francesas

BBC

A estudante Sarah K. foi impedida de assistir aula por duas vezes em sua escola em Charleville-Mezieres, no norte da França, por uma razão inusitada: sua saia preta, que cobre até o tornozelo, teria sido considerada "muito longa".

O problema é que, para os diretores da escola onde Sarah estuda, essa peça de roupa seria "um sinal ostensivo de filiação religiosa".

Desta forma, violaria uma lei aprovada em 2004 que proíbe a exibição de sinais religiosos nas escolas públicas francesas.

Leia mais:

Repórter do iG se passa por muçulmana e flagra reações nas ruas. 'É carnaval?'

Mulheres muçulmanas são agredidas com cuspidas e pedradas

Sarah, que professa a fé muçulmana, retira todos os dias o véu islâmico para ir a escola em cumprimento a essa lei e não concorda com a decisão da escola de proibir também a sua saia.

"Essa saia não tem nada de especial. É muito simples. Não é chamativa nem é um símbolo religioso", disse a garota, de 15 anos, para o jornal local L'Ardennais.

Nas redes sociais, uma campanha foi criada para apoiar a estudante e ahashtag# JePorteMaJupeCommeJeVeux ("Eu uso minha saia como eu quero") chegou ao trending topic do Twitter francês.

"Isso é islamofobia e discriminação disfarçadas de pensamento pseudo-laico. Desde quando uma saia longa é um sinal religioso?", escreveu o usuário identificado como @HamduliAllah.

Alguns twittes em apoio a Sarah incluem imagens de princesas Disney e estrelas de Hollywood vestindo saias longas.

Repórter do iG se passa por muçulmana e flagra reações nas ruas de São Paulo
tvig
Repórter do iG se passa por muçulmana e flagra reações nas ruas de São Paulo

Ministra

A ministra da Educação francesa, Najat Vallaud-Belkacem, defendeu a decisão da escola, alegando que o seu corpo docente teria levado em conta não só o comprimento da saia mas a "atitude da estudante".

"Nenhum estudante pode ser ou já foi excluído (das aulas) por conta do comprimento ou da cor de sua saia", disse Vallaud-Belkacem.

"Eles (os diretores da escola) concluíram que havia proselitismo (religioso) por parte da aluna e o que foi decidido não foi uma suspensão (da aluna), mas sim a abertura de um diálogo com a sua família."

A mãe de Sarah discorda da ministra, mas parece querer acabar com a discussão rapidamente.

"É uma saia simples, sem nenhum símbolo, não é um adereço religioso. Mas se a escola não quer que minha filha a use durante as aulas, ela vai usar outra coisa. Não queremos problemas", disse.

De acordo com o Coletivo Contra a Islamofobia na França em 2014 houve 130 casos de alunos impedidos de assistir aula por conta do que vestiam.

Leia tudo sobre: Francesasaiamuito longa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas