"Não é justo", teria dito brasileiro momentos antes de ser fuzilado na Indonésia

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rodrigo Gularte, executado terça (28), sofria de esquizofrenia e não tinha consciência de que seria morto, diz padre irlandês

O brasileiro Rodrigo Gularte, que foi executado na última terça-feira (28) na Indonésia, sofria de esquizofrenia e não tinha consciência de que seria fuzilado, relatou nesta quinta-feira (30) o padre que foi seu conselheiro espiritual durante o período de detenção, o irlandês Charlie Burrows.

Jacarta: Indonésia defende execuções como parte da sua guerra contra o tráfico

Caixão do brasileiro Rodrigo Gularte é visto em casa funerária de Jacarta, Indonésia
AP
Caixão do brasileiro Rodrigo Gularte é visto em casa funerária de Jacarta, Indonésia

Tristeza: Prima de brasileiro fuzilado na Indonésia vela corpo em funerária de Jacarta

"Quando pediram para os prisioneiros deixarem suas celas e os acorrentaram, ele me perguntou se seria executado", afirmou Burrows. "Eu disse que sim e que já tinha explicado tudo anteriomente, mas ele não demonstrou emoções, apenas comentou que não era justo", relatou o sacerdote.

De acordo com o padre, o brasileiro, que chegou a ser diagnosticado com um distúrbio bipolar e esquizofrênico, contava que "ouvia vozes em sua cabeça". Gularte, de 42 anos, foi preso em julho de 2004 ao entrar na Indonésia com seis quilos de cocaína camuflados em pranchas de surfe. No ano seguinte, foi condenado à morte.

Os familiares do brasileiro, junto com os advogados, estavam tentando anular a pena alegando que Gularte sofria de problemas mentais. Um laudo médico indicou que ele precisava "imediatamente de intenso tratamento psquiátrico com medicações num hospital".

Terça: Dilma qualifica como "fato grave" execução de brasileiro na Indonésia

O brasileiro foi diagnosticado com esquizofrenia, mas defesa não conseguiu convencer autoridades. Foto: Reprodução/YoutubeO paranaense Rodrigo Muxfeldt Gularte foi preso quando tentava entrar na Indonésia com drogas escondidas em pranchas de surf. Foto: Reprodução/YoutubeRodrigo Gularte, de 42 anos, foi fuzilado com outros traficantes na Indonésia. Foto: Reprodução/YoutubeRodrigo gostava de surfar desde a adolescência, de acordo com a mãe dele, Clarisse . Foto: Reprodução/YoutubeA mãe de Rodrigo Gularte, Clarisse, mostra foto do brasileiro na praia com os amigos. Foto: Reprodução/YoutubeClarisse fez apelo direto para Dilma Rousseff para livrar o filho Rodrigo da morte na Indonésia. Foto: Reprodução/YoutubeRodrigo Gularte foi condenado à morte em 2005 por chegar à Indonésia com seis quilos de cocaína. Foto: Reprodução/FacebookBrasileiro condenado por tráfico de drogas foi fuzilado na Indonésia no dia 28/04. Foto: AFPBrasileiro condenado a morte na Indonésia por tráfico de drogas foi executado no dia 17 de janeiro. Foto: Reprodução/YoutubeExecução foi feita mesmo após pedidos de cancelamento feitos pelo governo brasileiro. Foto: ReproduçãoMarco Archer Cardoso Moreira, 53, foi executado na madrugada de domingo (17) no horário indonésio – por volta das 15h no Brasil. Foto: Reprodução/FacebookMoreira era solteiro, não tinha filhos e seus pais haviam morrido; uma tia foi visitá-lo na Indonésia antes da execução. Foto: Reprodução/FacebookO brasileiro foi preso em 2003 ao entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína. Foto: Reprodução/InternetBalsa foi usada para transportar brasileiro para local da execução. Foto: AP

O governo brasileiro também pediu clemência à Indonésia, que rejeitou os apelos. Gularte foi fuzilado junto junto com o indonésio Zainal Abidin, os australianos Andrew Chan e Myuran Sukumaran, os nigerianos Sylvester Obiekwe, Raheem Agbaje e Okwudili Oyatanze e o ganês Martin Anderson.

Relato: "Irei para o céu", disse brasileiro momentos antes de ser fuzilado na Indonésia

As relações entre Brasil e Indonésia estão estremecidas desde a execução do brasileiro Marco Archer Moreira, em 18 de janeiro, condenado por tentar entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína.

Em represália, a presidente Dilma se recusou a receber as credenciais do novo embaixador indonésio no Brasil, Toto Riyanto, em 20 de fevereiro. Por isso, hoje o principal representante indonésio no Brasil é um ministro conselheiro e não o embaixador.

Leia tudo sobre: execucoes na indonesiaindonesiagularteburrows

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas