40 anos depois: Dez coisas que você talvez não saiba sobre a Guerra do Vietnã

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mais de 1 milhão de vietnamitas morreram durante o conflito, que foi encerrado com tomada de Saigon em abril de 1975

BBC

A Guerra do Vietnã, cujo fim completa 40 anos nesta quinta-feira, se estendeu de 1959, quando começaram os combates de guerrilheiros comunistas no Vietnã do Sul (na época uma ditadura apoiada pelos Estados Unidos), até que os últimos militares deixassem a capital, Saigon, em abril de 1975.

2012: Encontrada vala com 23 soldados mortos na Guerra do Vietnã

Soldados dos EUA no Vietnã em foto de 1965
AP
Soldados dos EUA no Vietnã em foto de 1965

Assista: Vietnamita ganha dinheiro achando bombas não detonadas da guerra

A tomada da cidade, hoje chamada Ho Chi Minh, pelas forças comunistas do Vietnã do Norte lançou as bases para a reunificação vietnamita e foi a maior derrota militar da história dos EUA - que se envolveram no conflito em 1961, temendo o avanço do comunismo. Para americanos e vietnamitas, foi uma guerra custosa, sangrenta e divisiva.

O conflito marcou a história do Vietnã no século passado, deixou o país em ruínas, causou milhões de mortes e ainda desperta debates. A seguir, dez dados sobre a guerra e suas consequências:

1. Rivalidade da Guerra Fria: O antigo Vietnã do Sul dependia da ajuda econômica e militar dos EUA, enquanto o Vietnã do Norte recebia apoio da União Soviética e da China.

2. Número de soldados: Mais de 2,5 milhões de americanos serviram na guerra; em 1968 havia 536 mil deles combatendo. Em 1973, quando os EUA aceitaram um cessar-fogo, as forças do Vietnã do Sul eram de cerca de 700 mil, enquanto as do Vietnã do Norte somavam cerca de 1 milhão de combatentes.

3. Número de mortos: Mais de 58 mil americanos e ao menos 1,1 milhão de vietnamitas morreram no conflito (algumas estimativas falam em 3 milhões de mortos). Outros países também sofreram baixas: foram mortos, por exemplo, mais de 4 mil soldados sul-coreanos.

4. Guerra internacional: Algumas nações enviaram tropas para ajudar os EUA; participaram do conflito milhares de soldados da Coreia do Sul, Tailândia, Austrália, Filipinas e Nova Zelândia.

A China também enviou um número substancial de soldados ao Vietnã do Norte: chegaram a 170 mil, para reparar os danos causados pelos bombardeios americanos e para ajudar na defesa aérea.

Veja exposição sobre o pós-guerra na Inglaterra

Projetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English HeritageProjetos arquitetônicos da exposição 'Brutal and Beautiful: Saving the 20th Century', na Inglaterra. Foto: James O Davies/English Heritage

5. Guerra aérea: A Força Aérea dos EUA lançou 6,7 milhões de toneladas de bombas sobre o Vietnã; as forças aliadas do Vietnã do Sul, Austrália e Nova Zelândia lançaram outras 1,4 milhão de toneladas.

Esse montante corresponde a mais do dobro do volume de bombas lançado por Reino Unido e EUA - 3,4 milhões de toneladas - em operações na Europa e no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial.

6. O tanque: Durante 20 anos, acreditou-se que um tanque do Vietnã do Norte - o de número 843 - tivesse sido o primeiro a avançar contra as portas do Palácio Presidencial de Saigon, em 30 de abril de 1975. Só em meados de 1990 que o Vietnã concluiu que foi obra de outro tanque, o número 390.

7. Arma icônica: Nenhuma outra arma está tão associada à Guerra do Vietnã quanto o fuzil AK-47. Foi a principal arma do Exército do Vietnã do Norte e das guerrilhas do Sul e se converteu na arma revolucionária preferida em todo o mundo. As tropas americanas usaram sobretudo o fuzil M14 e, posteriormente, o M16. Os fuzis de assalto americanos eram de difícil manejo nas úmidas selvas do Vietnã.

8. Legado controverso: O Vietnã pediu, sem sucesso, compensação às vítimas do "agente laranja" - substância química jogada pelas tropas americanas no solo para destruir plantações agrícolas e desfolhar florestas usadas como esconderijo pelos inimigos, que acabou causando danos, malformação de crianças e contaminação, com efeitos que duram até hoje.

9. Divisão: Mais de 1 milhão dos chamados "boat people" (imigrantes que viajavam em barco) fugiram do Vietnã do Sul entre 1975 e 1989. A maioria se estabeleceu nos EUA.

10. Normalização: EUA e Vietnã normalizaram suas relações em 1995 e anunciaram um acordo amplo em 2013. O comércio bilateral movimentou quase US$ 35 bilhões em 2014.

Leia tudo sobre: vietnãguerra no vietnãeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas