Militante brasileiro na Ucrânia fica gravemente ferido durante missão em Donetsk

Por iG São Paulo - Bruno Martinolli | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rafael Lusvargui foi atingido em aeroporto no leste do país; conflito entre soldados e pró-russos ocorre há mais de um ano

O ex-policial militar de São Paulo Rafael Lusvargui, 30 anos, ficou gravemente ferido durante um confronto na noite deste domingo (26) em Donetsk, região leste da Ucrânia. Lusvargui, que é tenente das forças pró-Rússia, estava em missão de observação com outros dez militantes quando foi atingido por tiros e explosões de morteiros.

"Ele ficou ferido nas pernas, tronco e nos braços. O estado dele é grave. Na hora ele não conseguia falar nada, só apontava os ferimentos", relatou Rodolfo "Magayver", outro brasileiro que está lutando no país.

Leia: Morreria pela Ucrânia, diz ativista após deixar Brasil para lutar com pró-russos

Rodolfo relatou que também foi ferido em uma missão há alguns, mas que seu colete evitou um desastre maior. A Embaixada do Brasil em Kiev afirmou não ter informações sobre os incidentes.

Assim como Rafael Lusvargui, Rodolfo "Magayver" se juntou as forças pró-Rússia em 2014. O combatente, que após o ferimento de Lusvargui comanda os rebeldes, disse que muitos brasileiros buscam informações para tentar entrar para o grupo.

Cenário: Presidente da Ucrânia conquista bancada aliada pró-Ocidente

No momento, um terceiro brasileiro que não pode ser identificado passa por um processo de treinamento para poder acompanhar as missões de campo. Rafael e Rodolfo foram promovidos no mês passado e agora são tenente e sargento, respectivamente.

Antes de ir para a Ucrânia, Rodolfo "Magayver" trabalhava como segurança e fazia faculdade de Direito. "Coloquei em prática, de uma maneira constante, todos os meus conhecimentos. Vim prestar solidariedade ao povo e única forma era oferecendo minha especialidade. O problema foi o frio, mas não me arrependo", disse o brasileiro.

Rafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi foi atingido em confronto próximo ao aeroporto de Donetsk. Foto: Fotos Públicas/Forças Armadas da NovarrussiaRafael Lusvarghi e outros militantes no leste da Ucrânia. Foto: Reprodução/FacebookAo lado de outro combatente, Rafael Lusvarghi com bandeira brasileira em um campo do leste ucraniano. Foto: Reprodução/FacebookRafael Lusvarghi deixou de lado sua vida como ativista no Brasil para se tornar militante na Ucrânia. Foto: Reprodução/FacebookRafael com um cavalo em meio a neve. Foto: Reprodução/FacebookLusvarghi com roupa militar durante uma ação na Ucrânia. Foto: Reprodução/FacebookApós ter sido preso nas manifestações de SP, Rafael exibe cicatriz que fez em estúdio de tatuagem. Foto: Reprodução/FacebookPoliciais prendem Rafael Lusvarghi durante ato contrário a realização da Copa do Mundo em São Paulo, em meados de junho. Foto: Reprodução/FacebookPoliciais tentam conter Rafael durante protesto em São Paulo. Foto: Reprodução/Facebook


Testemunha: explosões são ouvidas em Donetsk após eleição na Ucrânia

Rodolfo diz que o clima em Donetsk é tenso, mas que mesmo com o "nosso amigo ferido, não vamos ficar desmotivados".

Tenente Lusvarghi 

O ex-policial militar Rafael Lusvarghi viveu na Rússia quando era mais jovem e até tentou se alistar nas forças armadas do país para conseguir cidadania. Mas a aproximação com os ideais do povo liderado por Vladimir Putin só aconteceu no dia 20 de setembro, quando ele desembarcou na Ucrânia após sair da prisão em São Paulo.

O militante foi detido no dia 12 de junho enquanto participava das manifestações contra a realização da Copa do Mundo em São Paulo. Ele ficou 45 dias preso sob acusação de atos violentos. Em entrevista ao iG em 2014, Lusvarghi disse que tem orgulho de suas ações. "Pretendo ajudar a reconstruir a Ucrânia", finalizou.

Conflitos na Ucrânia

Os confrontos entre pró-russos e soldados ucranianos já deixaram mais de 6 mil mortos desde abril do ano passado, de acordo com estimativa da ONU. Atualmente, cessar-fogo instável permanece em funcionamento, apesar das violações. Líderes ocidentais, o governo ucraniano e a Otan, Organização do Tratado do Atlântico Norte, dizem que há evidências do envolvimento de militares russos no confronto, informação negada por Moscou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas